Galerias brasileiras participam Feira de Arte Frieze

Mais de 150 galerias, entre elas duas brasileiras, com trabalhos de mais de mil de artistas participarão da próxima Feira de Arte Frieze, em Londres, anunciou nesta quarta-feira Matthew Slotover, um dos diretores do evento.A maior parte das galerias vem dos países dominantes no mercado da arte, como Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Itália, Suíça, França e Áustria. Estarão presentes em Londres este ano são a Fortes Vilaça e a Luisa Strina, ambas de São Paulo.Vinte e cinco empresas estarão presentes pela primeira vez na feira, que será realizada entre 12 e 15 de outubro e que, segundo seus organizadores, "representa a seleção mais contemporânea de galerias de qualquer feira internacional".Os organizadores afirmam ter recebido mais de 450 inscrições. Slotover reconheceu que o processo de seleção é necessariamente imperfeito e explicou que no ano passado setenta galerias recorreram contra sua exclusão, das quais seis ou sete foram finalmente admitidas.Slotover reconheceu a Efe que ele gostaria em próximos anos contar com uma representação mais ampla das galerias mais vibrantes da América Latina, que, ao contrário do ano passado, em que havia também algumas do México, este ano se limita ao Brasil.Entre os artistas cuja obra será exibida em Frieze estão os espanhóis Daniel Canogar, os gêmeos MP & MP Rosado, o coletivo cubano Los Carpinteros e o também cubano Jorge Pardo.Além disso, haverá um festival de filmes e vídeos de artistas com projetos de Manon de Boer, o mexicano Miguel Calderón e Bonnie Camplin, além de uma série de conferências de especialistas.Entre os conferencistas se destacam o filósofo francês Jean Baudrillard, a artista Marina Abramovic, a socióloga urbana Saskia Sassen e o teórico da arquitetura Eyal Weizman.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.