Galeria Tate Modern vai construir extensão futurista de vidro

O museu londrino Tate Modern anunciouque pretende usar uma verba de 50 milhões de libras (101,3milhões de dólares) recebida do governo britânico para ajudar afinanciar uma ampliação futurista de suas galerias existentes. O diretor do Tate, Nicholas Serota, disse que a construçãodeve levar adiante a regeneração de um bairro de Londres. Nasúltimas duas décadas, uma série de atrações, apartamentos deluxo, restaurantes, museus e renovações de locais históricosapareceram na margem sul do rio Tâmisa. "Estamos ansiosos para levar a Southwark um edifício queconstitua um marco do século 21", disse Serota em comunicado àimprensa esta semana. O edifício de 10 andares, feito de blocos de vidro, foiprojetado pelos arquitetos suíços que originalmente converterama usina elétrica londrina do pós-2a Guerra Mundial num museu dearte moderna que se transformou numa das maiores atraçõesturísticas de Londres. Herzog e De Meuron, que foram escolhidos para fazer oprojeto do estádio nacional para as Olimpíadas de 2008 emPequim e que receberam o prestigioso prêmio Pritzker dearquitetura em 2001, projetaram um edifício que vai aumentar em60 por cento a capacidade do Tate. O novo prédio, que visa reduzir o congestionamento devisitantes, deve ficar pronto em tempo para as Olimpíadas de2012 em Londres. A previsão é que custe cerca de 165 milhões delibras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.