Galeria de Helmut Newton é inaugurada em Berlim

Uma enorme coleção permanente dos trabalhos de Helmut Newton foi inaugurada hoje em Berlim, dois dias depois do enterro do famoso fotógrafo em sua cidade natal. Newton e sua mulher, June, doaram mais de mil fotos, de moda e também de paisagens, em outubro do ano passado, à capital alemã, em vez de Nova York, Los Angeles e Paris, onde Newton começou a fazer sucesso. "Era o local mais adequado. O coração dele sempre esteve em Berlim", disse June.Nascido em uma rica família judia, em 1920, Newton teve de fugir da Alemanha em 1938, por causa da perseguição nazista. Ele nunca voltou a morar no país. As duas exposições inaugurais, Us and Them (Nós e Eles) e Sex and Landscapes (Sexo e Paisagens), mostram retratos íntimos que Newton e June fizeram um do outro, fotos de celebridades amigas do casal, fotos eróticas de modelos e paisagens que Newton retratou durante a vida.Klaus-Dieter Lehmann, presidente a Fundação Helmut Newton, mantida pelo estado, que cuida da galeria, disse que os trabalhos foram feitos para gerar discussão. "Isso não será um monumento, será um fórum", ele disse. Newton ficou conhecido por suas fotos fetichistas de mulheres nuas, e recebeu apelidos como "o rei da depravação" e "o Marquês de Sade dos 35 milímetros." Suas fotos em preto-e-branco mostram sentimentalismo e têm uma ponta fria de rigor. Ele era amplamente copiado por outros artistas. "Sem Helmut Newton, a fotografia da moda não seria o que é hoje", disse Matthias Harder, curador da mostra.Um retrato antes não exibido feito por June, que usa o nome artístico de Alice Springs, mostra o marido em seu leito de morte depois do acidente de carro que o matou em janeiro, em Los Angeles. Cinco fotos ampliadas da famosa série Grandes Nus de Newton estão penduradas sobre a escadaria da entrada principal do museu, no lugar de cinco telas de soldados prussianos. Cerca de 100 mil visitantes são esperados por ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.