Futuro da arte é tema de programa de TV

O futuro das artes, a partir dasnovas ferramentas tecnológicas que estão surgindo e propiciandonovos caminhos para a criação. A discussão de um tema tãoinstigante provocou a elaboração do programa IBM E-Nova, queestréia amanhã, às 21h30, no canal por assinatura GNT. "Selecionamos um grupo de pessoas que já fazem umtrabalho inquietante e que deverão nortear o futuro das artes",justifica a jornalista Lúcia Guimarães, que dirige e apresenta o programa, ao lado do também jornalista Jorge Pontual. Para a estréia, convidaram o coreógrafo Mark Morris,autor de trabalhos que se destacam pelo inusitado, comobailarinos dando-se palmadas ao som do cravo que toca Haendel, eStrip-Tease, em que ele e a companhia concluem um nu frontal sobluzes florescentes, para ridicularizar a burocracia do mercadodo sexo. Sua irreverência pode ser notada na forma como veiopara a entrevista, para a qual compareceu de bermuda, meias esandálias, além de "trejeitos de Carmen Miranda", como observaLúcia Guimarães. Adepto do barroco e considerado um anarquista conservador, Morris confessa sua paixão pela música brasileira,especialmente pelas músicas cantadas por Aurora Miranda, irmã deCarmen. "Adoro os incríveis sambas clássicos dos anos 60 e 70,que são maravilhosos e excitantes", comenta ele, revelandoainda que o violoncelista Yo-Yo Ma está trabalhando em uma sérieenvolvendo música brasileira. Morris acredita também que a dança em seu estado puro vaisobreviver, independente de recursos tecnológicos comomonitores de vídeo e raios laser. "Sou antiquado o suficientepara tentar atrair público ao teatro e é por isso que utilizodançarinos ao vivo, músicos ao vivo e público ao vivo",ironiza. "Essa é a minha preferência." Próximos programas - Na próxima quinta-feira, o convidado é o escritor,pintor e curador Robert Storr, um dos mais talentososobservadores da arte contemporânea dos Estados Unidos. Comocurador sênior do Museu de Arte Moderna de Nova York, o MoMA,ele trabalha com a mais importante coleção de arte do mundo, quedefende mesmo com o surgimento de novas técnicas. "Sou pintore a pintura tem uma história tão longa para a gente pensar queeu acho que não acabará com os zumbidos eletrônicos", afirma."A pintura é algo que ainda se pode criar, mas nunca vai voltara ter a posição que ocupava." No dia 29, será exibida a entrevista com Osvaldo Golijov, compositor apontado pela revista New Yorker como um dosgrandes renovadores da música contemporânea. Nascido naArgentina e hoje vivendo em Boston, Golijov escreveu PaixãoSegundo São Marcos, montagem que inclui orquestra, um coralvenezuelano, atabaques e longos solos da cantora Luciana Souza.A peça fez sucesso em diversas cidades americanas e européias, efoi incluída na temporada de 20 anos do festival Next Wave, daBrooklyn Academy of Music, ao lado de peças de Philip Glass eTan Dun.IBM E-Nova Amanhã, às 21h30. GNT (canais/operadoras: NET, 41; Sky, 41)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.