Fúteis e consumistas: conheça novo perfil das garotas

Bem diferentes da geração de Madonna, as novas garotas super poderosas saíram da telinha e ganharam versões em carne e osso. Essa nova mulher, descrita recentemente pela escritora francesa Lolita Pille no livro Hell Paris 75016 ? que acaba de sair no Brasil pela Editora Intrínseca, do Rio ?, tem poucas preocupações. Para essas panterinhas cor-de-rosa, a vida se resume a namorar muito, sair com as amigas para se divertir e, principalmente, consumir marcas e produtos caros. Em homenagem à cor preferida delas, a nova geração já ganhou um apelido: "Think Pink" (pense rosa).No cinema, elas já têm sua perfeita tradução: trata-se da vencedora Elle Woods, a personagem de Reese Whiterspoon em Legalmente Loira (Legally Blonde). Fútil e sortuda, ela invade o mundo dos escritórios de advocacia com processos em pastas rosas e um coração assistencialista de ouro. As meninas da geração Think Pink estão em alta e por todo lado. Com os seus ?sorrisos brancos de louça de banheiro e os cílios de borboleta?, como escreve Lolita Pille, também desejam ocupar o centro dos refletores sem despender uma gota sequer de suor ? e sem desgastar um só neurônio.Estão na música, no cinema, no sofá da Hebe, por todo lugar. Débora Secco, Paris Hilton, Avril Lavigne... O que as une, além de serem meninas mimadas? Alguma grana, a vontade de serem o que não são (nem que seja por decreto), a confusão de papéis, as grifes, a dragagem afetiva.A herdeira do império bilionário dos hotéis Hilton, Paris Hilton, por exemplo, diz que é atriz. Começou fazendo vídeos pornô com o namorado, e alguns dias atrás a sua pequena grande travessura tornou-se pública, pela internet. Tem 22 anos e está estrelando um show de TV chamado The Simple Life (A Vida Simples), programa exibido pela Fox, no qual, com sua amiga Nicole Richie (filha do cantor Lionel Richie), troca seus milhões por alguns dias para viver como colona numa fazenda do Arkansas.A cantora Avril Lavigne acha que é uma reencarnação de Sid Vicious, dos Sex Pistols. E tudo que faz a respeito é botar as cuecas para fora do jeans. Ou regravar em versão drops kids hortelã um sucesso de Bob Dylan. John Lydon, ex-cantor dos Sex Pistols, deu risada da pretensão de Avril de comparar-se a Sid Vicious. ?Se ela morrer, talvez fique igual a ele?, divertiu-se.O Brasil também tem representantes do "Think Pink". Deborah Secco já ficou famosa pela capacidade de namorar em uma revista e terminar o namoro em outra. Não é uma exclusividade desta moça que vive Darlene em Celebridade, mas sua estratégia de divulgação é implacável em difundir a imagem think pink da atriz. Outro dia, as colunas deram nota dando conta que ela passou sete horas no salão de Marco Antônio di Biaggi, ?e saiu de lá com cabelos alongados por uma nova técnica suíça e com highlights na cor caramelo Palatof?.Pode-se dizer que falar mal das meninas "think pink" é crueldade, que é apenas mais um lance da filosofia ?o inferno são os outros?, mas essa ideologia riquinho rico de viver seduz a mídia e dá cria. Por exemplo: o canal de filmes HBO está exibindo Born Rich (Nascido Rico), um documentário com a herdeira do império farmacêutico Johnson & Johnson, Jamie Johnson, de 23 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.