Imagem Fábio Porchat
Colunista
Fábio Porchat
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Futebol

Poucas coisas na vida são mais inúteis do que torcer para um time de futebol. Veja bem, gostar de futebol é uma coisa, mas torcer por um clube é completamente outra. Não serve pra absolutamente nada, com frequência te deixa mais triste do que feliz, não modifica sua vida em absoluto, só atrapalha os seus afazeres, mas mesmo assim, quando o Vasco joga, eu fico nervoso, quero saber do resultado minuto a minuto, fico irritado com o time. 

Fábio Porchat, O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2015 | 02h00

Se perde, eu fico chateado, estraga uma boa parte do meu dia e do meu dia seguinte e se ganha, quinze minutos depois a minha felicidade se esvaiu e eu já voltei à minha rotina normal. Não tem lógica nenhuma torcer que nem um imbecil para um time de futebol.

Isso me dói, porque eu não consigo controlar o que eu sinto. É uma perda de tempo na minha vida que não se explica. Eu sou uma espécie de obeso mórbido que não consegue parar de comer bacon. É de uma irracionalidade completa. 

E eu não vou nem entrar na questão daqueles animais que brigam entre si por conta de futebol, estou me colocando um grau abaixo desses idiotas. Mas será que eu sou tão diferente assim? Tudo bem, eu não espanco outros seres humanos por conta do Vasco, mas eu grito com a TV, eu xingo jogadores como se eles pudessem me ouvir do meu quarto, eu não gosto do convívio com outros seres humanos durante a partida. No máximo se for torcedor do Vasco, mas mesmo assim, me irrita.

Quer dizer, no fundo, eu sou um pouco hooligan de mim mesmo. Eu vou acabando comigo por causa de um time que (e agora estou falando de qualquer time de futebol brasileiro) não tá nem aí para seus torcedores, que não tem a menor vontade de se estruturar para apresentar um bom futebol ou se consolidar com um time profissional, que tem um presidente que visa os próprios interesses e que não se importa minimamente com o esporte. 

Posso falar isso com conhecimento de causa porque o mais novo presidente eleito do Vasco da Gama é o Eurico Miranda. Como é que alguém consegue sair de casa e ir ao estádio sabendo que o presidente do seu clube é esse sujeito? Se nem isso consegue me impedir de parar a minha vida para saber quanto foi o último jogo do Vasco, é porque realmente não há controle sobre esse tipo de sentimento. E o pior é que a gente nasce sem time nenhum. A gente é que escolhe ser idiota. 

Eu tive a opção de ser livre, mas eu me prendi a um sentimento que não me deixa descansar. Porque não acaba nunca. Todo ano é um sofrimento. Porque só um time pode ser campeão. Um! Ou seja, por ano, trinta e sete times da Série A do Brasileirão têm seus torcedores deprimidos. O custo benefício de gostar de futebol é muito baixo! E no ano seguinte, é a mesma coisa! 

Se alguém souber de um jeito de me fazer parar, por favor, aceito sugestões. Enquanto isso: Vamos torcer pro Vasco ser campeão, São Januário, meu caldeirão!!!!

Mais conteúdo sobre:
Fábio Porchat

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.