Furtos e lixo, problemas ainda sem solução no Lollapalooza

Público foi alertado por equipe de segurança para cuidar de mochilas e também teve de enfrentar acúmulo de detritos

João Paulo Carvalho, Renato Vieira e Tais Toti, O Estado de S. Paulo

06 Abril 2014 | 22h22

No domingo, 6/4, segundo e último dia do Lollapalooza, o festival enfrentou dois problemas difíceis de resolver, pelo menos até agora. A equipe de segurança avisava o público para usar a mochila virada para frente, porque estavam sendo registrados mais roubos do que no sábado. Os furtos aconteciam sem que as pessoas percebessem, e até a equipe de limpeza andava pelo autódromo dando este recado e alertando o público.

Outra questão foi o excesso de lixo: pilhas e mais pilhas estavam acumuladas nas proximidades dos palcos Skol e Interlagos. "Não adianta ficar tentando limpar, agora. Só daremos conta do recado quando tudo isso acabar", informou o auxiliar de limpeza Josias Santos Aguiar, de 33 anos.

Com poucas lixeiras distribuídas pelo autódromo, já no começo da noite de domingo o Lollapalooza começou a sofrer com os detritos. Copos e restos de embalagem de comida se empilhavam no chão, atrapalhando a passagem.

Mais conteúdo sobre:
Lollapalooza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.