Fundador da revista Penthouse morre aos 79 anos

Publicação ajudou Bob Guccione a criar um império de mídia erótica e pornográfica e tornou-se um dos editores mais importantes do gênero ao lado de Hugh Hefner e Larry Flynt

Efe

21 de outubro de 2010 | 05h23

WASHINGTON - Bob Guccione, fundador e editor da emblemática revista para adultos Penthouse, morreu nesta quarta-feira aos 79 anos na cidade de Plano, no estado americano do Texas, de câncer de pulmão.

A família de Guccione informou em comunicado que o fotógrafo morreu em um hospital, ao lado da esposa, April Dawn Warren Guccione, e dois de seus filhos, Bob e Tonina, tal como indicou a emissora CNN.

Após lançar sua revista em 1965, Guccione criou um império de mídia erótica e pornográfica que rompeu tabus, ofendeu os mais conservadores e o levou a faturar milhões de dólares.

No entanto, vários investimentos ruins e a concorrência com a internet acabaram com a obra de sua vida. Bob Guccione era um dos três editores de revistas eróticas mais conhecidos, junto a Hugh Hefner - criador da Playboy - e Larry Flynt - fundador da Hustler.

Nascido Brooklyn, trabalhava como caricaturista e gerente de um lava-carros em Londres quando teve a ideia de lançar uma revista mais explícita e voltada a "homens normais", diante da Playboy, que cultivava uma imagem mais moderada. Tudo começou com um empréstimo, uma ideia e um acidente, lembra o jornal The New York Times. O crédito era de US$ 1.170. A ideia era criar uma nova revista para adultos que superasse o sucesso da Playboy. E o acidente ocorreu por causa de uma antiga agenda com endereços postais.

Ele enviou os folhetos pornográficos a clérigos, alunas, aposentados e esposas de membros do Parlamento britânico.

A indignação e os protestos perante o conteúdo dos folhetos foram enormes e Guccione recebeu uma multa de US$ 264 por enviar por correio material "indecente".

Mas graças a esta publicidade, as 120 mil cópias do primeiro exemplar da Penthouse se esgotaram em poucos dias e Guccione, que então tinha 35 anos e era um artista que tentava sobreviver a duras penas, estava a caminho de se transformar em um dos grandes da indústria pornográfica.

Guccione, que viveu na Europa durante mais de dez anos, levou a revista aos Estados Unidos em 1969 e transformou a Penthouse em uma das maiores e mais conhecidas marcas do setor.

No início dos anos 1980, já era um dos homens mais ricos dos EUA, líder da General Media, um império editorial avaliado em US$ 300 milhões dono da Penthouse, que registrava circulação mensal de 4,7 milhões de exemplares em 16 países.

A revista Forbes situou, em 1982, o patrimônio de Guccione em US$ 400 milhões. Sua coleção de obras de arte, que tinha um valor estimado de US$ 150 milhões, incluía quadros de Degas, Renoir, Picasso, El Greco, Dalí, Matisse e Chagall. Antiguidades decoravam sua casa em Nova York.

A Penthouse atingiu sua maior popularidade em setembro de 1984, quando publicou fotos eróticas de Vanessa Williams, a primeira afro-americana eleita Miss Estados Unidos e que hoje é cantora e atriz.

Vanessa teve de devolver a coroa, mas a revista conseguiu com ela vender 6 milhões de exemplares, faturando US$ 14 milhões. Calcula-se que a "Penthouse" tenha faturado entre US$ 3,5 bilhões e US$ 4 bilhões durante o reinado de Guccione como editor.

Mas o americano perdeu boa parte de sua fortuna pessoal por maus investimentos e negócios arriscados. Talvez o maior fracasso tenha sido o investimento de US$ 17,5 milhões na produção de 1979 do filme Calígula, com atores como Malcolm Mcdowell, Helen Mirren, John Gielgud e Peter O'Toole.

O filme não agradou os estúdios cinematográficos pelas cenas de sexo lésbico explícito e de incesto, mas se transformou no DVD mais popular da General Media.

Em 2003, a empresa anunciou falência e um investidor da Flórida adquiriu a "Penthouse" no ano seguinte em um leilão. A revista tinha se transformado na primeira grande vítima da internet e pertence agora ao grupo FriendFinder Networks.

Os problemas financeiros obrigaram Guccione a vender em 2002 sua coleção de artes em um leilão. Quatro anos depois teve que se desfazer de sua mansão nova-iorquina. Guccione se casou quatro vezes. Ele deixa quatro filhos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.