Fundação quer erguer museu de Iberê Camargo

A Fundação Iberê Camargo - que tem como presidentes de honra Maria Coussirat Camargo, viúva do pintor Iberê Camargo, e Jorge Gerdau Johannpeter, do Grupo Gerdau, o patrocinador prioritário da instituição - tinha desde a sua criação o projeto de construir o Museu Iberê Camargo (uma vontade do próprio artista) com as obras e os documentos doados por Maria. Com o objetivo de preservar e divulgar a obra de Iberê, a fundação conseguiu, somente neste ano, estar a um passo de consolidar a sua idéia. O museu já tem um projeto arquitetônico assinado pelo português Álvaro Siza Vieira e a instituição está finalizando o processo de captação de recursos para iniciar a construção do espaço na cidade de Porto Alegre.Iberê Camargo foi um dos maiores pintores brasileiros deste século. Nasceu em 1914 e morreu em 1994, vítima de câncer nos pulmões, consumidos pelo chumbo das tintas. O acervo que sua viúva doou à fundação é composto por cerca de 4.100 obras - entre óleos, guaches, desenhos e gravuras - produzidas nas diversas fases pelas quais o artista transitou e que vão tornar-se acervo do novo museu. Mas há ainda outras 3.500 criações do artista espalhadas pelo mundo e que também farão parte do projeto de catalogação de todas as obras que será coordenado pela professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS), Mônica Zielinsky. Esse trabalho será todo voltado ao Centro de Pesquisa do museu.Recursos - Segundo o diretor de controle administrativo da Fundação Iberê Camargo, Bolívar Charnesky, o projeto do museu tem um orçamento aproximado de R$ 15 milhões. "Mas o valor não está totalmente definido, pois o projeto está em fase de tramitação", diz. "Ainda é necessário ter a aprovação, municipal e ambiental, por exemplo, para, depois disso, poder fechar um orçamento que não será exclusivo para a construção, mas também para a manutenção do museu", explica Charnesky.Por enquanto, o projeto já está inserido na Lei Rouanet e também na Lei Estadual de Incentivo à Cultura do governo do Rio Grande do Sul, que destina 1% da arrecadação do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para projetos culturais selecionados pela Secretaria Estadual de Cultura. A Fundação Iberê Camargo já promoveu três seminários para discutir as formas de gerir o museu e de montar o seu projeto. O especialista canadense em gestão de museus Gren Page foi um dos convidados da fundação. "Isso mostra a amplitude internacional do projeto", diz Charnesky. O diretor de controle prevê que daqui a um ou dois meses ficará pronta a formatação final e legal do processo.O local para a construção do Museu Iberê Camargo já está definido: Avenida Padre Cacique, às margens do Rio Guaíba, zona sul de Porto Alegre. A área total destinada será de aproximadamente 8.300 metros quadrados, incluindo um estacionamento para cem automóveis. "O prédio será um marco nessa avenida que é uma via de intenso movimento. A localização escolhida também tem a pretensão de valorizar as margens do rio, já que a cidade está, na sua maioria, cresce em direção oposta", analisa o coordenador-executivo da Fundação Iberê Camargo, Fernando Schiller.O museu será composto por nove salas localizadas nos três pavimentos superiores da construção, que serão utilizadas somente para a exibição de obras de arte. Fernando Schiller conta que essas salas vão abrigar tanto exposições de obras brasilerias quanto de outros países. "Mas sempre haverá mostras com os trabalhos de Iberê Camargo, que serão montadas sob diferentes curadorias", complementa o coordenador.O prédio terá também um auditório, salas para oficinas e seminários e um centro de informações e pesquisa sobre toda a vida e a obra de Iberê Camargo. Haverá ainda uma enorme biblioteca e a fundação vai reproduzir o ateliê de gravura no qual o artista sempre trabalhou. "Será um ativo centro cultural voltado a alunos, professores e pesquisadores. O interessante é que o prédio foi projetado para ser um museu, o que é original, pois os museus do Sul são em prédios históricos. Há todo um rigor técnico na sua idealização", diz."Patrocinar um projeto desse é uma forma de qualquer empresa fixar sua marca não só na região como em todo o Brasil e nos países do Mercosul, pois o museu será um espaço permanente. É uma ótima estratégia de marketing", afirma Schiller. O Grupo Gerdau, como patrocina a Fundação Iberê Camargo, será um dos investidores, mas o projeto está aberto a outros parceiros. Os interessados na proposta podem entrar em contato com a fundação pelo telefone (51) 3241-8416 ou pelo site www.iberecamargo.org.br.

Agencia Estado,

24 de agosto de 2001 | 10h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.