Fundação Iberê Camargo inaugura sua nova sede

A Fundação Iberê Camargo inaugurou sua nova sede com a presença de cerca de 2,5 mil convidados, no início da noite de hoje, em Porto Alegre. O prédio de cinco pavimentos vai guardar cerca de quatro mil obras do mestre do expressionismo brasileiro, nascido em Restinga Seca (RS), em 18 de novembro de 1914, e morto em Porto Alegre, em 9 de agosto de 1994, aos 79 anos. Também abrirá seu auditório para debates, seus ateliês para aulas e suas 12 salas para exposições de arte moderna e contemporânea da América Latina. A primeira exposição é a retrospectiva Iberê Camargo Moderno no Limite, uma coletânea de 89 obras do artista, que o público poderá conferir de terças a domingos, com entrada franca, até o dia 31 de agosto."Estamos inaugurando uma nova época para os equipamentos culturais do País", afirmou o ministro da Cultura, Gilberto Gil, que, ao lado do ministro da Defesa, Nelson Jobim, representou o governo federal na solenidade. O empresário Jorge Gerdau Johannpeter, presidente da Fundação Iberê Camargo, acredita que a nova estrutura vai dar mais visibilidade ao artista, que considera um dos cinco mais importantes do Brasil.O prédio, localizado à margem do Lago Guaíba, leva a assinatura do arquiteto português Álvaro Siza, e foi premiado ainda quando estava na maquete, em 2002, com o Leão de Ouro da Bienal de Arquitetura de Veneza. Construído em concreto branco, que dispensa pinturas e acabamentos, tem contornos e rampas arredondadas, lembrando uma grande escultura. Seu custo, de R$ 40 milhões, foi bancado pelas leis de incentivo à cultura e pelos patrocinadores, o Grupo Gerdau, Petrobras, RGE, Vonpar, Itaú, De Lage Landen e Instituto Camargo Correa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.