Fratellis: rock ruidoso e divertido até a última dose

Trio chega com o estimulante álbum de estréia, Costello Music

Agencia Estado

12 Junho 2007 | 03h47

Da mesma cidade do Travis, Glasgow (Escócia), o trio The Fratellis chega com o estimulante álbum de estréia, Costello Music (Universal) - uma reação enérgica à melancolia dos conterrâneos. É rock pra lá de basicão, vintage como a arte da capa, e inconseqüente. Dos três integrantes, só o baixista Barry é um Fratelli na real. Jon (guitarra e vocais) e Mince (bateria e vocais de apoio) adotaram o sobrenome dele como pseudônimo. Cerca de um ano e meio depois de terem estreado num bar na cidade natal, eles saíram com o álbum, já com três singles na bagagem. Claro que logo o trio virou outra grande promessa do rock, mas a fila, como se sabe, anda rápido - e o que não falta são outras tantas bandas saindo da garagem com cacife para se instalar no lugar. Isso não vem ao caso, agora. Embora as canções dos Fratellis não pareçam ser daquelas que vão "ficar", é irresistível começar a tocar tudo de novo quando o CD chega ao fim. Até porque quase todas as faixas são boas, com variações entre ska-punk, jump blues, funky rock e country rock. A sonoridade de Costello Music tem a boa combinação que se espera de uma banda estreante e jovem: é crua, áspera, vigorosa, sujona e dançante. Desde Henrietta, o primeiro single, que abre o CD com versos como "nós adoraríamos te odiar, mas não temos escolha", até Ole Black ‘n’ Blue Eyes, a faixa 12, o disco todo é uma boa zoeira. A balada country Whistle for the Choir é exceção entre faixas aceleradas, de letras longas e boas guitarras. Faixas como a citada Henrietta e Chelsea Dagger, com uma linha de baixo matadora, lembram seu conterrâneo Franz Ferdinand, com menos consistência. Cuntry Boys & City Girls (é cuntry mesmo, sem "o", talvez um trocadilho intraduzível com o órgão sexual feminino?) é uma das mais bacanas. Como é fácil enumerar parentesco com diversas outras bandas ao longo do CD, esta lembra The Cure de Boys Don’t Cry. Na letra eles afirmam que só estão atrás de sexo e barulho. Bem, as demais não variam muito além de descrever situações como esta, envolvendo garotas, bebidas e mais garotas. Nada de novo, mas divertido até a última dose.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.