Françoise Héritier discute o futuro da família

O que é a família e o que será dela? Amanhã, a francesa Françoise Héritier, professora de antropologia do Collge de France, debate o assunto, às 19 h, no Café Filosófico da Livraria Cultura do Shopping Villa-Lobos.Relações de parentesco são assunto obrigatório entre os antropólogos. E Françoise apresenta ao público conceitos tradicionais da área, como poligamia, monogamia, incesto, transmissão de parentesco. Inclui, porém, novos temas, como a influência que os mais recentes métodos reprodutivos podem exercer sobre as relações familiares. "O que é certo é que o surgimento de numerosas técnicas relacionadas à procriação não podem deixar de atuar sobre a instituição familiar", afirma ela. Entre essas novas tecnologias, Françoise deve discutir as possíveis conseqüências que a utilização da clonagem provocaria na organização familiar. Por enquanto, diz, há "bons motivos" para que o método não seja utilizado entre os homens. Segundo Françoise, do ponto de vista antropológico, a clonagem tende a suprimir a alteridade, a diferença, criando indivíduos biologicamente idênticos, o que se contrapõe à idéia da sociedade. Ela, no entanto, ressalta que o parentesco se funda na sociedade e não na biologia. Cita o antropólogo Claude Lévi-Straus, a quem sucedeu no Collge de France. Para ele, a família poderia ser pensada a partir de duas metáforas: a da cadeia co-sanguínea (biológica) e a da rede de alianças entre essas correntes (social). Lévi-Strauss acentua o papel dessa trama e, a partir da imagem, debate questões como o incesto. Outro ponto que atua sobre a família hoje, mas que é menos evidente, é o prolongamento da vida. Atualmente, explica Françoise, cinco gerações podem coexistir, enquanto, num passado recente, não mais que três conviviam. Autora de Masculin/Féminin: La Pensée de la Différence (Masculino/Feminino Masculino - O Pensamento da Diferença) e Les Deux Soeurs et Leur Mre (As Duas Irmãs e Sua Mãe), ela também debaterá os aspectos antropológicos em torno de assuntos como a união civil de homossexuais.A passagem por São Paulo é a última atividade da antropóloga, em sua primeira e breve viagem ao Brasil. Ela participou ontem de um encontro na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e já esteve em Curitiba e Florianópolis.Serviço - Café Filosófico. Debate com Françoise Héritier. Livraria Cultura, Shopping Villa- Lobos. Av. Nações Unidas, 4.777, tel. (0--11) 3024-3599)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.