Francês inventa sensor que converte textos em braile

O engenheiro francês Raoul Parienti, de Nice, inventou o primeiro sensor portátil que converte o texto dos livros em linguagem braile. A tecnologia, chamada Top Braille, demorou dez anos para ser aperfeiçoada. O aparelho tem o tamanho de um mouse, pesa 120 gramas e pode ser levado no bolso. Passando o sensor no texto, uma micro-câmera digital lê os caracteres, que são transmitidos a um processador. O texto é instantaneamente traduzido na linguagem para cegos e pode ser impresso ou ser ouvido com um fone. Até hoje, os cegos só tinham acesso às obras com edições especiais em braile. "Graças a esse dispositivo poderemos permitir a 42 milhões de cegos de todo o mundo ler normalmente", explica Pariente que criou a sociedade Vision junto com Marc Lassus, ex-presidente da Gemplus, líder mundial do chip. Uma primeira série de 50 aparelhos, ao custo de 3 mil euros (cerca de R$ 9 mil), já foi encomendada por uma associação. As línguas disponíveis até o momento são o francês, o italiano e o inglês. Parienti anunciou que em três meses estarão prontas as versões em alemão e espanhol.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.