França não proíbe, mas pede atenção a modelos magérrimas

O ministério da Saúde francês informou na sexta-feira que a França não vai proibir a presença de modelos muito magras nas passarelas parisienses, mas vai introduzir uma carta voluntária de diretrizes para conscientizar a setor da moda dos riscos da magreza extrema para a saúde. Estilistas, agências de modelos e outros no mundo da moda vêm sendo largamente criticados por promover uma aparência emaciada que, para críticos, contribui para o aparecimento de desordens alimentares em mulheres jovens. Em função dessas preocupações, países como a Espanha, Itália, Brasil e Índia vêm tomando medidas para afastar das passarelas as modelos que estão abaixo do peso. A preocupação com a magreza excessiva atraiu grande atenção da mídia após a morte de duas modelos latino-americanas anoréxicas em 2006. Um funcionário do ministério da Saúde francês disse que a comissão que estuda o assunto não vai recomendar uma proibição abrangente. "Estamos muito perto de chegar a um acordo quanto a uma carta voluntária de compromisso para o setor da moda, a mídia e o setor publicitário", disse ele. "A idéia não é emitir regulamentos, como foi feito na Espanha, mas promover uma campanha forte de conscientização e informação no setor da moda", disse ele. A moda é um negócio grande na França. Os produtos de luxo que freqüentemente são divulgados por modelos jovens e magérrimas que aparecem em outdoors e nas passarelas respondem por uma grande parcela das exportações francesas. "Apontar culpados ou estigmatizar estilistas ou agências de modelos não ajuda em nada", disse o funcionário. Moda O diretor da federação francesa de moda tinha dito em janeiro que Paris não tomaria medidas adicionais para afastar as modelos ultramagras das passarelas porque as normas relativas à saúde das modelos já eram suficientemente rígidas. Mas a preocupação continua. O estilista libanês Elie Saab disse à Reuters em entrevista recente que prefere mulheres que tenham curvas. Mas o estilista da Chanel, Karl Lagerfeld, defendeu suas modelos no ano passado. "Elas têm ossos magros", disse ele. A questão da magreza voltou às primeiras páginas dos jornais esta semana quando Donatella Versace, proprietária de parte de uma das maisons de moda mais famosas da Itália, revelou que sua filha sofre de anorexia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.