França homenageia Niemeyer com insígnia da Legião de Honra

Arquiteto é nomeado Comendador da Legião de Honra, a mais alta distinção civil e militar francesa

Felipe Werneck e Associated Press,

12 de dezembro de 2007 | 16h42

A três dias de completar 100 anos, o arquiteto Oscar Niemeyer bebeu champanhe nesta quarta, 12, com o embaixador da França no Brasil, Antoine Pouillieute, no escritório onde trabalha numa cobertura na Praia de Copacabana, na zona sul do Rio. Citado como "lenda, gênio e mestre" pelo embaixador, o arquiteto recebeu insígnias e foi nomeado Comendador da Legião de Honra, a mais alta distinção civil e militar francesa. Os dois brindaram e conversaram em francês. Veja também: 'Não me sinto importante', diz Niemeyer ao 'Times' Depois, o embaixador explicou que Niemeyer lhe contou que foi uma decisão pessoal do general Charles de Gaulle conceder uma autorização especial para que ele trabalhasse na França durante o período em que viveu naquele país exilado pela ditadura militar.  "Isso é uma comprovação do que a França foi para mim. Eles foram solidários desde o primeiro dia que cheguei lá. É um povo que admiro, um povo inteligente, pronto para qualquer movimento de defesa do país. Um país fantástico, estou muito satisfeito com uma homenagem de um país como este", agradeceu Niemeyer, para quem a entrega da comenda é especial. "Vem justamente do país onde no momento em que eu mais precisava de apoio isso não me faltou, ao contrário."  Niemeyer disse ao embaixador e depois, em entrevista, que considera sua obra mais importante na França a sede do Partido Comunista francês, em Paris.  "Estou muito contente de receber esta honraria da França, um povo que tem me concedido muitos favores e me tem dado muito", declarou Niemeyer ao receber o reconhecimento. O arquiteto que faz 100 anos no sábado, 15, viveu exilado na França em 1964, após ter sido obrigado a deixar o Brasil por suas afinidades com o Partido Comunista. A obra arquitetônica de Niemeyer na França inclui o Centro  Cultural Le Havre e o edifício da Bolsa de Trabalho de Bobygny e a sede do Partido Comunista Francês.

Tudo o que sabemos sobre:
Oscar Niemeyer100 anos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.