Fracassa tentativa de inserir Macondo no mapa-múndi

Em meio a uma forte abstenção, os habitantes de Aracataca disseram "não" para a iniciativa que pretendia rebatizar sua cidade natal com o nome literário de Macondo, a aldeia imaginária criada pelo escritor Gabriel García Márquez, em seu romance Cem Anos de Solidão, de 1967.Em Aracataca vive a calorosa população do departamento de Magdalena, onde nasceu Gabo, apelido carinhoso dado ao Prêmio Nobel de Literatura de 1982, o colombiano García Márquez, em 1928.A idéia de acrescentar o nome de Macondo ao de Aracataca foi liderada pelo prefeito da cidade, Pedro Sánchez Rueda, que via nessa possibilidade a solução econômica para os moradores, pois a "tornaria mais turística". Do potencial de votantes, cerca de 22 mil pessoas, apenas 3.596 foram às urnas. Destes, 3.342 apoiaram a iniciativa, 236 a recusaram, e foram registrados 18 votos nulos.Assim, após realizar uma consulta com 47 mesas instaladas na cidade, a iniciativa não obteve os 7.400 votos que necessitava para triunfar.A população de Aracataca continuará vivendo das glórias de seu Nobel de Literatura e do cultivo da banana, da palmeira africana e suportando temperaturas entre 38 e 42 graus centígrados.A imaginária Macondo aparece pelo menos em três romances de García Márquez, entre eles, sua obra-prima Cem Anos de Solidão, e em dezenas de contos. Macondo é na realidade um pequeno arbusto que curiosamente escasseia na região e também dá nome a um rio que desce a Serra Nevada de Santa Fé.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.