Fox cria show com gente anônima

Na busca de variações sobre a fórmula que transforma rotina anônima em show, a Fox leva amanhã ao ar, nos Estados Unidos, o Temptation Island ("Ilha da Tentação"), que instiga casais a pularem a cerca.Já na Inglaterra, um bebê foi concebido diante das câmeras da BBC. A notícia da gravidez surgiu ontem, no site da emissora. Os pais da criança - Trevor Kearon, de 35 anos, e Trish Prater, de 38 - estavam entre os 29 participantes do Castaway 2000, realizado em uma ilha escocesa.Na Fox, quatro casais de namorados "seriamente comprometidos" foram levados a uma ilha onde 26 "iscas" (pessoas solteiras, jovens e bonitas) testam a fidelidade dos candidatos.O programa ainda não despertou interesse de produtores de TV brasileiros, até porque nesse terreno dos reality shows convém esperar por resultados. A própria Fox já tropeçou nessa fome de transformar anônimos em astros - em Quem Quer Casar com um Milionário?, o ricaço, após escolher a candidata, revelou-se uma farsa.Somando todas as tentativas de transformar vida comum em show de TV (só aqui há o Território Livre, da Band, o Vinte e Poucos Anos, da MTV, e o já enterrado No Sufoco, testado no Domingão do Faustão), há mais fracassos do que êxitos. Mesmo a boa audiência de No Limite - 50 pontos num horário que registrava 30 no Ibope - foi obtida às custas de muitas chamadas durante a programação e inserções em tom de suspense em praticamente todos os programas da emissora.O mais bem-sucedido formato mundial, exportado para a Inglaterra, Espanha, Itália e Estados Unidos (a CBS pagou US$ 20 milhões pelos direitos), pertence à produtora holandesa Endemol, recentemente adquirida pela Telefónica. O formato quase chegou ao Brasil pelo SBT, mas Silvio Santos não entrou em acordo financeiro com a Endemol e desistiu do projeto.Por meio de sua produtora, a GPM, Gugu Liberato esteve no Chile para testemunhar um outro sucesso do gênero: a rotina de quem vive em uma casa toda de vidro, instalada em uma esquina movimentada de grande cidade. Parece, mas não é bem o No Sufoco, do Faustão. Liberato pretende produzir uma versão brasileira igual à do Chile.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.