Fotos de Luiz Tripolli revelam beldades brasileiras

As grandes beldades do fotógrafo Luiz Tripolli, clicadas em 42 anos de profissão, estão na exposição Quase Todos Meus Amores, que começa hoje no Museu de Arte Brasileira. O livro que leva o mesmo nome será lançado esta semana. Homem que só faz fotos de mulheres nuas se for para provocar o espectador, Tripolli tem uma história que não acaba. Foi o primeiro a dar, por exemplo, a justa dimensão a Ana Paula Arósio, então com 14 anos. Em entrevista ao Jornal da Tarde, ele disparou suas críticas à "estética da beleza burra", ao "padrão Barbie" e ao tratamento "pedaço de carne" que as revistas dão às personagens. Jornal da Tarde - Você sempre esteve rodeado por beldades... Isso é ilusão. Eu diferencio o mulherengo do "galinha". O mulherengo gosta da mulher e a trata bem. Como conseqüência, tem o melhor delas. O "galinha" usa as mulheres. O fotógrafo tem de ser um mulherengo. As revistas masculinas não estão se repetindo? Os fotógrafos estão perdendo o estilo. Estão fotografando mulheres como se fossem pedaços de carne. E as revistas ainda retocam as fotos em computador. Se uma mulher tem de ser retocada, é porque ela não deve ser fotografada. Não há mulheres bonitas sendo fotografadas? A "estética burra" me irrita. O Brasil é o país que tem o maior número de mulheres bonitas do mundo. Mas o padrão de beleza vem de fora e temos de seguir o conceito "Barbie". Isso não combina com o perfil de nossas mulheres. O padrão de beleza não está nas passarelas? Há três ou quatro mulheres no São Paulo Fashion Week que nasceram para aquilo, como Gisele Bündchen e Ana Hickmann. Elas não sofrem, são felizes. Mas quando vejo um desfile me parece que o produtor foi a um necrotério, pediu 20 defuntos de meninas e as colocou na passarela.Qual é aquela grande foto que você não fez? Ainda quero fazer um ensaio com Gisele Bündchen.Mulher bonita tem faixa etária? Não deveria. Fiz um ensaio com Cristiane Torloni há 22 anos. Se fizesse hoje, sairia muito melhor. Ela está mais bonita. Serviço: Quase Todos Meus Amores - de Luiz Tripolli, no Museu de Arte Brasileira, da Faap. De terça a sexta, das 10 às 21 horas; sábado e domingo, das 13 às 18 horas. Grátis. 3662-7198.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.