Fotógrafo revela Portugal "500 Anos Depois..."

Em 1996, o fotógrafo José de Paula Machado convenceu a Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva, de Portugal, de que a melhor maneira de celebrar os 500 anos do Descobrimento do Brasil, efeméride que ainda parecia longínqua, era realizar uma dupla exposição, que apresentasse aos portugueses o Brasil de hoje em dia e aos brasileiros a nova cara de Portugal. Após mais de 10 viagens à ex-metrópole e um mergulho nos arquivos de imagens feitas nos quatro cantos do Brasil, o fotógrafo montou duas amplas exposições, que há alguns meses circulam por várias cidades dos dois países.Após ter passado por Nitéroi, Belém, Salvador - e com escala já prevista em Brasília -, a versão portuguesa da mostra 500 Anos Depois... aterrissa em São Paulo, podendo ser vista a partir desta quarta-feira à noite no Sesc Pompéia. Incluindo as imagens utilizadas no slide-show, são quase 500 cenas selecionadas entre as mais de 12 mil fotografias feitas por Paula Machado em Portugal.Seguindo um circuito pré-determinado pela fundação que coordena o projeto, mas que o fotógrafo podia modificar conforme sua conveniência, foram mapeadas as principais regiões portuguesas. "O que é desconhecido me atrai", explica Paula Machado, para justificar a quantidade de fotos que fez em suas idas a Portugal. Além do mais, "a luz dourada, champagne, que há em Portugal deixa qualquer fotógrafo maluco", acrescenta.A exposição não se resume a reproduções fotográficas sobre papel. Paula Machado usou todos os meios contemporâneos de divulgação da imagem, como plotter, slide, backlights, tecidos e computadores. Há também um cuidadoso trabalho de som, reforçando o caráter multimídia do evento e a idéia de modernidade que o autor queria passar.Multimídia - Na mostra também haverá 12 terminais de computador à disposição do público, para que as pessoas possam ver a mostra por completo via Internet, já que quem tiver curiosidade de ver o trabalho do fotógrafo sobre o Brasil terá de contentar-se com a mostra virtual (no endereço www.500anosdepois.com) ou com o livro-catálogo, que reúne uma seleção de imagens dos dois países.A análise comparada dessas duas seleções é interessante pois permite entender melhor a obra deste fotógrafo que descobriu tardiamente seu talento. Economista por formação, ele trabalhou no mercado financeiro durante 23 anos, até comprar sua primeira máquina fotográfica, quando foi à Londres se aperfeiçoar no campo das finanças, e hoje tem 17 livros publicados.Preocupado em traçar o panorama mais amplo possível, Paula Machado escolheu obras que retratam o meio ambiente, a população, seus costumes e as características sócio-econômicas de cada região. Há uma grande preferência pelas fotos arquitetônicas e pelas imagens aéreas. Ao primeiro grupo, pertencem as mais belas imagens do livro, tanto no capítulo brasileiro quanto no capítulo português.Não escaparam ao autor das imagens do livro Uma Visão da Arquitetura Colonial no Brasil, lançado ano passado, alguns parentescos arquitetônicos entre as cidades coloniais brasileiras e portuguesas. A arquitetura está presente tanto nas grandes cenas e panorâmicas urbanas quanto no estudo de detalhes como uma escada em caracol que se transforma numa imagem construtiva quase abstrata, ou um muro antigo que mais parece um mosaico de pedras.O fotógrafo afirma que o que motivou a concepção desse projeto foi a surpresa que teve com a rápida modernização de Portugal, quando visitou o país em 1996. E esse aspecto de crescimento e desenvolvimento econômico não poderia ficar de fora. Há interessantes imagens como as que mostram uma produção artesanal ganhando dimensões de maior escala - seja de sardinhas ou de rolhas para o vinho, por exemplo.Cenas Clássicas - No entanto, não foi possível escapar das cenas clássicas, dos toureiros ou dos campos floridos. "Apesar de querer fugir do cartão postal, às vezes isso não é possível", reconhece o fotógrafo, afirmando que, nesses casos, optou por mostrar essas imagens de ângulos diferentes, citando, por exemplo, uma foto do Cristo Redentor tirada pelas costas, com a baía da Guanabara ao fundo.Mas no conjunto reina uma grande heterogeneidade que pode ser duplamente interpretada. Ao mesmo tempo que permite cativar um número maior de pessoas e dá ao fotógrafo a oportunidade de mostrar todo o seu virtuosismo (brincando com categoria com vários estilos e tendências), essa diversidade de certa forma dilui a qualidade do trabalho do fotógrafo, mostrando que talvez fosse preferível ater-se a um número menor de imagens, mas com maior densidade e personalidade. Prova disso é que a seleção de imagens brasileiras - tema mais familiar ao autor e sobre o qual ele dispõe de um material mais vasto - reserva as melhores surpresas do projeto 500 Anos Depois....500 Anos Depois - Fotos de José de Paula Machado. De terça a sábado, das 10 às 22 horas; domingo e feriados, das 9 às 20 horas. Sesc Pompéia. R. Clélia, 93, tel. 3871-7700. Até 29/10. Patrocínio: Telesp Celular.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.