Fotógrafo expõe a Quarta-feira de Cinzas

Para o fotógrafo Luiz Carlos Lopes, a beleza do Rio de Janeiro sempre é associada à sua grandiosidade. "No carnaval, a alegria exacerbada do carioca se acentua e todos só têm olhos para o extravagante. Terminada a festa, só restam as sobras da folia", diz. Pensando na alegria que ainda persiste no lixo e nos restos de fantasias deixados no Sambódromo, Lopes resolveu visitar a passarela do samba na Quarta-Feira de Cinzas. "Desfilo há 14 anos, mas só há quatro tive a curiosidade de conferir as sobras, o que restava na Marquês de Sapucaí depois do desfile. Foi então que tive a idéia fotografar", conta. "Sentia que ia encontrar algo ainda vivo no dia seguinte, algo que ainda tivesse a alma do carnaval. E encontrei", completa.O resultado dessa descoberta está em Cor das Cinzas e Outras Fantasias, exposição que ele inaugura nessa terça-feira, no MIS. Na mostra, o fotógrafo revela que seu fascínio vai além da festa. "Adoro o carnaval, o espetáculo da avenida, mas descobri tanta beleza no pós-festa quanto no durante", conta.Nascido em São Paulo e radicado há quase 30 anos no Rio, Lopes se valeu de seu olhar atento para descobrir a beleza dos detalhes da cidade carioca. Além das imagens do fim do carnaval, o fotógrafo percorre o Rio durante o ano à procura de suas pequenas belezas. "Fixo meu foco nas texturas, cores e formas que se escondem sob o olhar comum", conta. "Muitas vezes, a ferrugem, a luz ou a cor transformam portões, muros, calçadas e até lixo em formas belas e interessantes", completa.De volta ao Sambódromo, enquanto os garis, seus companheiros de caminhada, levam pedaços do que sobrou, Lopes guarda esses resquícios em suas imagens. "Eles apanham coroas, restos de fantasias e levam para casa, eu levo as minhas fotos" diz. Vinte dessas imagens compõem a exposição. As fotos comprovam seu estilo minimalista, que se atém às minúcias do dia-a-dia. Entre as que merecem destaque, está a foto que mostra as arquibancadas do Sambódromo distorcidas pelo efeito da luz sobre o plástico de uma alegoria. "Pesquisando, consegui ótimos efeitos de luz e cor", explica. E destaca também a imagem que reúne pedaços de fantasias e enfeites. "A luminosidade contrasta com a ´tristeza´ da Quarta-Feira de Cinzas", comenta.Discípulo de Walter Firmo, curador da exposição, Lopes se diz feliz por ter mostrado esses detalhes aos cariocas no ano passado, quando realizou a mostra no Rio, e, agora, aos paulistas. "A beleza do Rio é tão exuberante que, muitas vezes, não temos olhos para descobrir as pequenas sutilezas da cidade, tanto no carnaval como no nosso corrido cotidiano", diz, já falando como um carioca autêntico.Luiz Carlos Lopes. De terça a domingo, das 14 às 22 horas. MIS - Museu da Imagem e do Som. Avenida Europa, 158, tel. 3064-1429. Até 4/3. Abertura às 19 horas

Agencia Estado,

12 de fevereiro de 2001 | 17h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.