Fotógrafo espanhol Francesc Torres documenta destroços do 11/9

Exposição inaugurada nesta quinta-feira em Londres passará ainda por Nova York e Barcelona

Efe,

25 de agosto de 2011 | 16h04

ESPECIAL: Dez Anos do 11 de Setembro

 

LONDRES - A poucos dias de completar 10 anos do 11/9, o artista espanhol Francesc Torres inaugurou nesta quinta-feira em Londres uma exposição que percorre através de 150 fotografias o poder emocional dos objetos recuperados no Marco Zero em Nova York.

 

Veja também:

linkENTREVISTA: 'Destroços me deixaram sem palavras'

documento ESPECIAL: Dez anos do 11/09

som ESTADÃO ESPN: Série especial

forum PARTICIPE: Onde você estava quando soube dos atentados?

mais imagens GALERIA: Imagens do 11/09

 

Notas de despedida, carros de bombeiros carbonizados, brinquedos empoeirados e vestidos quase intactos foram algumas das peças encontradas entre os restos das Torres Gêmeas. A maior parte desse material foi armazenada em um hangar do aeroporto JFK da cidade americana, um museu "improvisado" que Francesc Torres retratou durante três anos com uma câmera 6x12 panorâmica.

 

Era um local fechado ao público, um segredo que o fotógrafo espanhol, testemunha em primeira mão da catástrofe, descobriu e documentou. O resultado é "La Memoria Perdura", um projeto fotográfico que eterniza os restos mais cotidianos de um atentado que mudou o rumo da história contemporânea.

 

As 150 imagens de Torres, capturadas em formato analógico, são exibidas em Londres através de projeções e acompanhadas pelos restos de vigas oxidadas que faziam parte da estrutura do World Trade Center, uma peça de 2 metros de comprimento que foi adquirida pelo Imperial War Museum.

 

La Memoria Perdura

é uma mostra organizada pelo National September 11 Memorial Museum e passará por Barcelona e Nova York no dia 7 de setembro, pouco antes dos 10 anos do atentado, que matou 2.792 pessoas.

 

Para este artista, que morou 30 anos nos Estados Unidos - principalmente em Nova York -, o mais interessante é que logo após o ataque, já havia gente que se deu conta que os restos recuperados eram parte da história e decidiu guardá-los.

 

"A primeira impressão ao entrar no hangar 17 é quase de um túmulo. Foi impressionante", explica o fotógrafo à Agência Efe. O fotógrafo, que começou o trabalho em 2006, relembra a trajetória de seu projeto desde o atentado. "Foi difícil, o poder emocional dos objetos era impressionante", comenta Torres, que no momento do atentado morava a apenas 300 metros das Torres Gêmeas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.