Fórum vaia carta de ministra

Ativistas da cultura digital desaprovaram mensagem de Ana de Hollanda

JOTABÊ MEDEIROS, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2011 | 03h08

Participantes de um fórum de produtores e artistas vaiaram a leitura de uma carta da ministra Ana de Hollanda no Teatro Odeon, na sexta-feira, no Rio de Janeiro, na abertura do Festival Internacional CulturaDigital.Br. O teatro estava lotado, cerca de 500 pessoas. Sergio Mamberti, secretário de Políticas Culturais do MinC, dividia a mesa com o ex-ministro Gilberto Gil; a secretária de Cultura do Estado do Rio, Adriana Rattes; representantes da Petrobrás e da Vale do Rio Doce; e o diretor do festival, Rodrigo Savazoni.

O secretário do MinC, Mamberti, tomou a iniciativa de começar a ler uma carta da ministra Ana de Hollanda, na qual ela fazia um balanço de seu primeiro ano de gestão. "O mal estar no teatro era notório até que alguém puxou uma vaia e gritou 'Ecad' no exato momento em que Mamberti falava dos direitos do autor. Àquela vaia se juntou praticamente todo o auditório, que voltou a vaiar a carta por mais duas vezes", escreveu Renato Rovai, da revista Forum, em seu site.

Segundo os participantes do fórum, a carta continha ideias que divergem frontalmente do que pensa o movimento da cultura digital. Muitos gritaram "Não nos representa!" sobre a fala do secretário. "Estou reivindicando o direito de me comunicar com vocês", pediu Mamberti aos manifestantes.

O Festival CulturaDigital.Br tem participações de artistas como Jorge Mautner e ativistas como Cláudio Prado e André Vallias, entre outros. Envolve uma rede de produção e criação do País todo e debate questões como o software livre e o direito autoral na internet. A abertura teve palestra do professor de Harvard, Yochai Benkler .

A contrariedade com a gestão de Ana de Hollanda também se manifestou de forma contundente na semana passada em outro documento. Dessa vez, foi o Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC) que enviou carta à presidente Dilma Rousseff pedindo uma audiência urgente com a presidente para "tratar de necessidades da área, até o momento insuficientemente tratadas pela atual gestão do Ministério da Cultura". Um dos focos é o orçamento de 2012, que sofreu redução em relação ao ano de 2010.

Segundo o documento do CNPC, que invoca discussões prévias com a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Cultura (e com a ministra da Secretaria de Articulação Institucional, Ideli Salvatti), "a forma como vêm sendo conduzidas as ações no MinC, tanto em relação à execução das políticas públicas de cultura, quanto à legítima participação da sociedade nas definições dessas políticas, não têm se adequado à essência democrática operada pelo governo atual que, exemplarmente, tem em Vossa Excelência a maior defensora".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.