Fórum aquece lobby japonês para TV digital

Mesmo sem a definição de um modelo a ser adotado no País, a TV digital já faz crescer os olhos das emissoras e publicitários. Não é à toa que o impacto comercial da nova tecnologia ganhou espaço privilegiado no Set 2001 - Broadcast & Cable, feira de negócios e congresso promovidos pela Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão e Telecomunicações (SET), de hoje a sexta-feira em São Paulo. O potencial de mercado da TV digital será pauta de um evento paralelo, o Fórum Set Business, que acontece hoje, com presença de representantes do governo, das redes e das agências.Só a compra de equipamentos compatíveis ao sistema obrigaria as emissoras brasileiras a investirem US$ 300 milhões no prazo de até sete anos. Em termos globais, incluindo a troca dos quase 60 milhões de televisores em uso no Brasil e serviços agregados possibilitados pelo e-commerce, a movimentação chegaria a US$ 100 bilhões, segundo o ministro das Comunicações, Pimenta da Veiga, que fará a abertura do evento, às 9 horas.Já a escolha de um modelo (americano, europeu ou japonês) de TV digital para o Brasil é um capítulo longe do fim. O resultado não deve sair antes de dezembro e o governo ainda não manifestou sua opção. A SET defende o modelo japonês sob o argumento de ser o único capaz de transmissão móvel em alta definição. Na sexta-feira, defensores de cada padrão venderão seu peixe.A estimativa de público para os três dias de evento é de 10 mil pessoas, que irão ouvir muito sobre TV digital, mas também sobre outros temas. Por exemplo, quinta-feira, às 15h, Daniel Filho (Globo) e José Fernando Pelégio (SBT) falarão sobre efeitos especiais e visuais na TV e no cinema.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.