Ford, racismo e Audazes e Malditos

Lambada: A Dança Proibida

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2010 | 00h00

14H15 NO SBT

(The Forbidden Dance). EUA, 1994. Direção de Greydon Clark, com Laura Herring, Jeff James, Richard Lynch.

Este é um daqueles filmes ruins de que não dá para gostar, mas é tão "exótico" que o espectador até se esforça. Laura Herring faz princesa da floresta amazônica ? mas o que é isso, o império inca? ? que vai para os EUA na tentativa de conscientização o mundo sobre os perigos que rondam a "rain forest" e termina como dançarina de lambada num especial de televisão. A inabilidade de Laura, uma ex-Miss EUA, em fingir que sabe dançar chega a ser comovente. Mas ela é linda, justiça seja feita. Reprise, colorido, 90 min.

Invasores

23H10 NO SBT

(The Invasion). EUA, 2007. Direção de Oliver Hirschbiegel, com Nicole Kidman, Daniel Craig, Jeremy Northam.

Em má hora o talentoso diretor de A Queda ? As Últimas Horas de Hitler achou que poderia refilmar o cult Vampiros de Almas, de Don Siegel, nos anos 1950. O original teve outras versões, nenhuma tão constrangedora. A história é a mesma ? vírus extraterrestre destitui as pessoas de seus sentimentos e as transforma numa massa fácil de controlar, sem identidade própria. Tudo o que Hirschbiegel mudou foi para pior, acredite. E o mais impressionante é que nem o elenco se salva ? como foi possível fazer um filme tão desinteressante com Nicole Kidman, o 007 Daniel Craig e Jeremy Northam? Reprise, colorido, 99 min.

Intercine

3H05 NA GLOBO

A emissora exibe o preferido do público entre dois filmes que se destacam por ser (ambos) politicamente incorretos ? Obrigado por Fumar, de Jason Reitman, com Aaron Eckhart, Maria Bello, Cameron Bright, Robert Duvall, William H. Macy e Katie Holmes, sobre porta-voz da indústria tabagista que enfrenta todo tipo de problemas por causa da natureza do produto que vende, considerado prejudicial à saúde; e Gigolô por Acidente, de Mike Mitchell, com Rob Schneider como funcionário de limpeza que se prostitui para pagar dívida.

Amanhã

A Globo exibe amanhã, no Intercine, o preferido do público entre ? Comando para Matar, de Mark L. Lester, com Arnold Schwarzenegger, Rae Dawn Chong, Dan Hedaya, Vernon Wells, James Olson e David Patrick Kelly, sobre agente que volta à ativa quando terroristas sequestram sua filha, na tentativa de fazê-lo lutar a seu lado no caso envolvendo ditador africano (EUA, 1985, fone 0800-70-9011); e Embriagado de Amor, de Paul Thomas Anderson, com Adam Sandler, Emily Watson, Philip Seymour Hoffman e Luis Guzman, sobre homem que recorre a um serviço de sexo por telefone e a sua vida vira inferno; seu cartão de crédito é clonado, ele é chantageado, etc.

TV Paga

Fomos os Sacrificados

22 H NO TCM

(They Were Expendable). EUA, 1946. Direção de John Ford, com Robert Montgomery, John Wayne, Donna Reed, Jack Holt, Ward Bond, Leon Ames, Cameron Mitchell.

O Festival John Ford prossegue com mais dois filmes. Ford havia feito a 2ª Grande Guerra como documentarista, no front do Pacífico. Desmobilizado ? e de volta a Hollywood ?, dirigiu esta ficção inspirada na história real do homem que desenvolveu o projeto dos botes PT, cuja utilização foi crucial durante a guerra. A ação situa-se nas Filipinas, enfocando uma grande derrota da Marinha norte-americana, daí o título. Ford conhecia o personagem real e o ator Robert Montgomery, que interpreta o papel ? e integra a equipe de direção de segunda unidade ?, também havia feito a guerra como oficial, com distinção. Ambos sabiam sobre o que falavam. O desfecho é muito emotivo, inclusive como exposição do tema fordiano da grandeza dos derrotados. No livro com a entrevista que deu a Peter Bogdanovich, Ford disse que nunca teve consciência desse tema. Não era uma coisa que buscasse, mas devia estar no seu inconsciente, porque era algo em que acreditava. Reprise, preto e branco, 135 min.

Audazes e Malditos

0H20 NO TCM

(Sergeant Rutledge). EUA, 1960. Direção de John Ford, com Jeffrey Hunter, Woody Strode, Constance Towers, Juano Hernandez, Hank Worden.

Jeffrey Hunter faz oficial que defende sargento negro, levado a corte marcial sob a acusação de haver estuprado ? e assassinado ? uma garota branca. O western possivelmente mais inusitado da carreira de John Ford, um tanto pelo tema ? o racismo ?, mas também pelo formato narrativo. A história é contada em flash-backs, durante o julgamento, antecipando o vaivém no tempo que também caracteriza O Homem Que Matou o Facínora, dois anos mais tarde. Ford sempre quis fazer um filme sobre os negros que se integraram à Cavalaria. O título de filmagem era o mesmo como esses homens eram conhecidos ? Captain Buffallo. Por melhor que Jeffrey Hunter seja, trabalhando de novo com o grande cineasta (após Rastros de Ódio), o filme é dominado pela personalidade de Woody Strode, que faz o acusado. Ele trabalhou outras vezes com Ford, e com Stanley Kubrick, Valerio Zurlini. Independentemente da cor da pele, foi um grande ator. Reprise, colorido, 118 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.