Ford duplo e o mistério da floresta

De Repente 30

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

03 Outubro 2012 | 03h08

15H40 NA GLOBO

(13 Going On 30). EUA, 2004. Direção de Ary Winick, com Jennifer Garner, Mark Ruffalo, Judy Greer, Andy Serkis, Kathy Baker, Samuel Ball.

Garota sofre bullying na festa de seus 13 anos, formula o desejo de ser adulta e acorda no dia seguinte com 30 anos. O problema é que se decepciona com o tipo de mulher em que se transformou e tenta recomeçar - reconquistando seu amor de pré-adolescência. Uma maneira diferente de tratar do velho tema da transferência de corpos. Jennifer Garner e Mark Ruffalo ajudam. São ótimos (e ela é linda). Repare que, entre os coadjuvantes, está Andy Serkis. É uma rara oportunidade para ver, de cara limpa, o ator que, graças à técnica da motion capture, personificou o Gollum e o rei Kong para Peter Jackson. Reprise, colorido, 97 min.

Floresta dos Lamentos

22 H NA CULTURA

(Mogari no Mori). França/Japão, 2007. Direção de Naomi Kawase, com Yôichirô Saitô, Kanako Masuda, Machiko Ono, Shigeki Uda.

O horário da Mostra resgata a japonesa Naomi Kawase, e justamente por meio de um de seus filmes mais misteriosos (e belos). Velho devotado à lembrança da mulher vive próximo à floresta do título. Ele tem uma enfermeira que não se recuperou da perda do único filho. Num passeio, os dois se perdem na floresta - para se encontrar. A nova safra de programas da Mostra está exibindo somente inéditos. Na sexta, o programa será repetido, dublado. Colorido, 93 min.

A Coragem de Amar

23 H NA REDE BRASIL

(Le Courage D'Aimer). França, 2004. Direção de Claude Lelouch, com Mathilde Seigner, Arielle Dombasle, Pierre Arditi, Pierre Barouh, Maïwenn.

O francês Lelouch ganhou a Palma de Ouro, o Oscar e mais um monte de prêmios com Um Homem, Uma Mulher, nos anos 1960, mas virou um daqueles diretores que os críticos amam odiar. Aqui, ele conta diversas histórias de pessoas comuns em situações extraordinárias de suas vidas, incluindo a mulher do policial moribundo, que resolve abandonar o marido, e o sem-teto que pensa que é Deus. Sem ser preconceituoso, há que reconhecer - na extensa obra de Lelouch, existem gemas, filmes que são bons. No elenco, o destaque vai para Maïwenn, a atriz e diretora de Polissia, em cartaz nos cinemas. Mas se pode destacar também Pierre Barouh. O ator, cantor e compositor foi responsável pelo "chabadá" romântico que embalava Un Homme, Une Femme. Inédito, colorido, 103 min.

O Bom Filho à Casa Torna

23H15 NA RECORD

(Welcome Home Roscoe Jenkins/The Better Man). EUA, 2008. Direção de Malcolm D. Lee, com Martin Lawrence, James Earl Jones, Margaret Avery, Joy Bryant.

Martin Lawrence teve uma infância difícil no interior da Geórgia. Ninguém, e muito menos os pais, botavam fé no futuro do filho, mas ele triunfou em Hollywood, virou celebridade. Em má hora, Lawrence resolve voltar para casa, para se exibir. Todo mundo continua a tratá-lo do mesmo jeito. O tom é de comédia, mas o travo é amargo. Reprise, colorido, 114 min.

O Trem Atômico

4 H NA REDE BRASIL

(Atomic Train). EUA, 1999. Direção

de David Jackson, com Rob Lowe,

Kristin David, John Finn, Mena Suvari, Eric Johnson.

O cinema contou várias histórias de trens desgovernados e da ameaça que representam. Este, para piorar, carrega produtos altamente tóxicos. Neste - explosivo -, Rob Lowe tem de unir os passageiros, que brigam entre si, em prol da sobrevivência de todos. Nada que se compare a Expresso para o Inferno, de Andrei Konchalovski (que tinha roteiro de Akira Kurosawa). Reprise, colorido, 122 min.

TV Paga

Depois do Vendaval

12H20 NO TELECINE CULT

(The Quiet Man). EUA, 1952. Direção de John Ford, com John Wayne,

Maureen O'Hara, Victor McLaglen, Barry Fitzgerald, Mildreds Natwyck, Ward Bond.

Ford ganhou o último de seus quatro Oscars de direção - após O Delator, Como Era Verde o Meu Vale e Vinhas da Ira em 1935, 1940 e 41 - com este filme que reata, de forma idealizada, com suas origens irlandesas. John Wayne chega a cidadezinha da Irlanda fugindo do passado. Ele se casa com Maureen O'Hara, há um quiproquó envolvendo o dote dela - que Victor McLaglen não quer pagar - e a ação evolui para uma briga memorável. Innesfree, a cidadezinha, é como um sonho que Ford torna real. Reprise, colorido, 112 min.

Paixão dos Fortes

15H40 NO TCM

(My Darling Clementine). EUA, 1948. Direção de John Ford, com Henry Fonda, Linda Darnell, Victor Mature, Cathy Downs, Walter Brennan, Tim Holt.

O cinema contou muitas vezes a história do tiroteio do OK Corral, e esta versão é do tempo em que o delegado Wyart Earp e seu amigo Doc Holiday eram considerados heróis. Com o tempo, ficou provado que eram celerados, que enfrentaram os Clantons numa disputa por terras que deveria favorecer o irmão de Earp. A versão de Ford se mantém lindamente pela recriação que o diretor faz da vida em Tombstone. Ford, o Homero de Hollywood, foi o autor da epopeia de grupos e aqui reconstitui as origens - e a grandeza - da 'América'. Reprise, preto e branco, 97 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.