Da Los Angeles de Sun Araw à Manchester de Andy Stott, o elo que junta a programação do Novas Frequências é, amplamente falando, o intimismo. "Pensei em contemplação, transcendência, meditação", conta Chico Dub, curador do festival. "É uma corrente forte na música de todas as vertentes de uns tempos para cá. Desde a galera do chillwave ao hypnagogic e os beatmakers de Los Angeles, acho que existe uma história forte de intimismo, de músicas que pedem para ser ouvidas em um headfone", completa. Sun Araw é pura meditação. Murcof, do México, faz colagens de orquestras. Andy Stott, do Reino Unido, faz techno arrastado, com acompanhamentos quietos. Essas vertentes se ligam ao Brasil pelo som do Psilosamples e do Pazes, produtores que tocam no domingo. "O Pazes ouvia samba, Milton antes de fazer eletrônico. Não é uma coisa óbvia, mas certamente tem influência de bossa na música dele."/ R.N.

10 de dezembro de 2011 | 03h12

Com humor e malandragem,

o Psilosamples recorta e cola

ritmos e cultura popular brasileira. Nome de guerra de Zé do Rolê, o projeto vai de techno a xaxado, passando por sons da roça, em poucos compassos. Psilosamples acaba de ser escalado para tocar no festival Sónar. O som é, de acordo com o site do próprio, feito com "astúcia e ignorância".

Cria da fumaça industrial de Manchester, o DJ e produtor Andy Stott flerta há uma década com gêneros que variam da bass music do Reino Unido ao juke de Chicago. Desde 2006, seus discos transitam pela indefinível fronteira entre o tecno e as vertentes inglesas (que integram o dubstep). O resultado é techno lento e turvo, embora instigante.

Com Truise é simpatizante de uma vertente do indie que inclui Neon Indian, Twin Shadow e mais uma moçada obcecada

por sons sintéticos dos anos 80

(muitas vezes, quanto mais toscos, melhor). Faz faixas de pista nesta onda de synths e baterias eletrônicas usadas de forma nostálgica. Assinou, no passado, com a influente Ghostly International, gravadora de Matthew Dear.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.