Florestas inspiram pintura de José De Quadros

O Museu Lasar Segall abre sábado amostra de pinturas de José De Quadros intitulada Florestas,com 22 telas realizadas entre 1996 e este ano. O tema daspinturas reunidas nessa exposição foi achado"inconscientemente" há cerca de 20 anos, quando De Quadrosvisitou uma mostra de obras de Lasar Segall no Rio de Janeiro eficou intrigado com o desenho Floresta com Troncos Espaçados, de 1955. A partir disso, o artista sempre se ocupou de pintaras florestas, um trabalho produzido concomitantemente com suasoutras produções.De Quadros vive em Kassel, na Alemanha, há 13 anos. Comoconta o artista, a cidade é rodeada de florestas. "O tema fazparte do meu cotidiano", diz. Entretanto, De Quadros nuncapinta in loco, mas sempre a partir de fotografias de seu vastoarquivo, que reúne tanto imagens captadas há décadas quanto asmais recentes, feitas pelo próprio artista. Por exemplo, há umatela em que predominam os tons amarelos, baseada em umafotografia de 22 de outubro de 1943, o dia em que Kassel foibombardeada pelos ingleses. "Pesquisei muito sobre o 22 deoutubro e descobri que foi um dia muito bonito e era como seaquilo não pudesse acontecer", conta. De Quadros afirma que asfotografias nas quais se baseia nunca são expostas e quefuncionam, na verdade, como rascunhos para suas telas.Suas florestas são feitas com várias camadas de tinta e, por isso, muitas caminham para o desprendimento da figuração. DeQuadros afirma que esse é o motivo de suas obras exigirem muito do espectador. "Elas não funcionam de impacto, elas têm umatemporalidade, demora para a retina se acostumar."Sobre as cores, geralmente são o preto e o branco e ocinza. "A Alemanha é um país escuro", diz. Uma das obrascitadas por ele é a floresta acinzentada feita a partir do poemade Heinrich Heine intitulado Sombrios Tornaram-se os Dias.Outra característica é a ausência de figuras humanas.Segundo De Quadros, suas florestas provocam "fascínio erepúdio", pois, em um primeiro olhar, parecem naturais, mas, naverdade, foram todas planejadas. "Na Alemanha é tudo muitoorganizado e é uma beleza artificial. Nas florestas não aparecemseres humanos porque elas foram feitas por seres humanos",diz.José De Quadros. De terça a sábado, das 14 às19 horas; domingo, das 14 às 18 horas. Museu Lasar Segall. RuaBerta, 111, em São Paulo, tel. (11) 5574-7322. Até 9/12. Abertura amanhã, às 14 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.