Flip agita a vida noturna de Paraty

A 5ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) recebeu mais de 10 mil turistas este ano. Mas não é só de gente interessada na arte literária que se compõe o público da Flip. Mais do que acadêmicos e intelectuais, Paraty também recebe muita gente interessada em curtir o agito e até mesmo a azaração. A estudante Laura Prado, de 19 anos, do Rio de Janeiro, contou estar gostando muito da festa. "Tá bombando", avaliou ela que assume vir mesmo pela azaração. Laura diz que a Flip, por ser um evento cultural, traz pessoas "mais selecionadas". "Tem gente mais bonita", relata. E dá para paquerar durante o evento? "Claro, com certeza", responde, a caminho de uma festa à fantasia.Já a paulistana Amanda de Campos, 23 anos, avalia que a Flip traz muita gente, de diversos lugares. Está aí, inclusive, o fator positivo para ela. "É bastante eclética, muita gente, é bem legal". Mas, diz a paulistana, o local não é tão propício assim para paquerar. "As pessoas não são meu ´target´". Pelas tortuosas ruas da cidade, muitas intervenções artísticas contrastam com os bares lotados. Festas fechadas para convidados são bem disputadas. Mas há espaço também para os "não vips" nos diversos barzinhos, com muita cachaça e, em alguns deles, atrações musicais, como o badalado Café Paraty.Pela azaração ou não, o fato é que Paraty atrai milhares de pessoas, entre intelectuais e curiosos, que se misturam para aproveitar a parte cultural e, claro, a boêmia que a cidade oferece. Entre uma cerveja e outra, a noite cai adentro em Paraty, garantindo o agito da Flip. E o saldo das paqueras? Aí depende da lábia de cada um.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.