Fim do espetáculo e início do sonho do dramaturgo

"Quando comecei a compor, eu disse: ''só vou compor e cantar coisas que eu acredite, na hora que estiver acontecendo.'' É o lance da minha vida", disse Milton, em entrevista à reportagem, no ano passado, para explicar sua relação com o momento presente, o "aqui-agora", o "logos" da sua arte. E é aqui que o céu começa a ficar num vermelho muito forte. Antes mesmo de ouvir o disco "...E a gente sonhando", o diretor Luiz Antônio Pilar havia escutado uma entrevista na qual Bituca contava como recobrara as forças após o grave problema de saúde pelo qual passou.

ROGER MARZOCHI, Agência Estado

05 de agosto de 2011 | 11h19

Em entrevista à AE, no ano passado, Milton disse: "Mandaram aqui enfermeiros. Fizeram aqui uma unidade móvel em casa e aconteceu o seguinte: comecei a sonhar com a Elis todas as noites, mas era mais que sonho. Então eu ia encontrar com ela. Ela estava fazendo um jantar, dava um jantar para todo mundo que estava lá. Eu pedia para ela cantar, ela nunca cantou", disse. Depois, em um show em Minas, uma criança disse ter visto dois anjos no palco, um de cada lado de Milton. Ele começou a melhorar, voltou a mergulhar no mar. Nasceu a música "Amor do céu, amor do mar". Só o som já é muito forte. No palco, ao vivo, é indescritível.

O "sonho" de Milton criou unidade. A começar pelo lançamento do disco. O primeiro show foi realizado em Porto Alegre, cidade onde nasceu Elis. No segundo show, em São Paulo, as duas primeiras músicas foram "Encontros e Despedidas" (Milton e Brant, 1981) e "Caxangá" (idem, 1977). A penúltima música foi "Canção da América" (de novo, deles, de 1979) com o público cantando para Milton e todos os três-pontanos e músicos no palco. E, no bis, "Maria Maria" (idem, 1976). Foram 24 músicas.

No palco, Pilar decidiu exibir no telão imagens de quadros de Cândido Portinari, que aparecem foscas, nubladas, como num sonho. A luz é macia, é celestial. Do céu, desce apenas aquele simples traço que define no horizonte as montanhas de Minas e nuvens azuis. E revela mais. Ao ajudar músicos ligados ao jazz, ao rock, ao samba, ao sertanejo universitário, à MPB, ele prova que gostar de um gênero musical é humano, mas amar a humanidade é universal. Aprendeu isso na vida e, agora, retribui aos seus amores a sua gratidão.

Por isso, as músicas do "...E a gente sonhando" são tão "transgressoras" e "subversivas" assim como "Morro Velho". Porque pela definição de Platão, ''logos'' é o "princípio de ordem, mediador entre o mundo sensível e o inteligível"; para Heráclito, "o princípio supremo de unificação, portador do ritmo, da justiça e da harmonia que regem o Universo". Para o dramaturgo Luís Alberto de Abreu, no livro "Um Teatro de Pesquisa", ''logos'' é o que delimita arte e a religião.

"Teatro, embora seja um bem do espírito é também algo profano, concreto, em que o êxtase é algo comedido, onde as alturas das emoções - que podem não ter limites no rito religioso - são circunscritas ao mundo real. No teatro, o contato com o espiritual não é um fim em si, já no rito religioso o contato com a divindade é o objetivo final", explica. "No teatro, e não falamos apenas no teatro grego, o êxtase necessita de um sentido, um logos, uma razão. Ouso até refletir que o logos também está presente nas religiões, afinal existem a doutrina, os preceitos e se não existissem, existe a organização, a geometria e o rito. Religião e arte, no entanto, abrigando os mesmos elementos, possuem objetivos opostos: o logos na religião visa ao êxtase, o contato com o divino, à teofania. Na arte, o êxtase é código de acesso ao logos, ao reconhecimento da trajetória humana. Teatro é também uma forma de saber."

Bituca está sempre no limiar dessa relação, porque também faz da arte uma profissão de fé. De "Paixão e Fé" (Tavinho Moura e Fernando Brant). Pilar, também. "Quando ouvi o disco, falei para o Bituca: tem que ser por aí. ''... E a gente sonhando'' é um sonho... e queria fazer com que a plateia também estivesse em um sonho, cheio de imagens, para que as pessoas saíssem do teatro para entrar na realidade de cada um."

"...E agente sonhando"

Citibank Hall RJ

Hoje: 22h

Av. Ayrton Senna, 3000

Barra da Tijuca

Rio de Janeiro - RJ

Ingressos: 4003-5588

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.