Fim de "Esperança" alivia Gianecchini

Ufa! A sensação é de total alívio para o ator Reynaldo Gianecchini, que terminou as gravações de Esperança, cujo último capítulo vai ao ar na sexta. A tranqüilidade do ator tem duplo motivo. O primeiro: poucas novelas tiveram tantos acidentes de percurso como essa, então terminá-la é de certa forma um alívio. O segundo e principal: Gianecchini acredita despedir-se de seu personagem, o italianinho Toni, provando que é mais que apenas um homem bonito. A maré de azar de Esperança pode ser contabilizada nos inúmeros acidentes com o elenco. O próprio Gianecchini se acidentou em cena, viu colegas se machucarem e atuou quase ao vivo, já que o autor da trama, Benedito Ruy Barbosa, atrasou a entrega dos capítulos, deixando pouco tempo para a preparação dos atores. As dificuldades chegaram a tal ponto que a Globo substituiu Barbosa por Walcyr Carrasco. Sobre sua atuação, Gianecchini diz que amadureceu como ator. Ele havia feito outras duas novelas e foi muito criticado. Diziam que representava a si próprio. Com Toni foi diferente, ele diz. O personagem começou cheio de aspirações românticas, com o sonho de ser rico e foi mudando até se tornar um socialista. "Foi fantástico. Acho que nunca terei de novo esta sensação de me jogar em cena e fazer novela ao vivo", disse ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.