Filme sobre massacre japonês na 2.ª Guerra estréia na China

Nanking chega às telas no momento do 70.º aniversário da invasão japonesa

Agencia Estado

07 de julho de 2003 | 15h42

Nanking, filme norte-americano que documenta as atrocidades cometidas por tropas japonesas na China durante a 2.ª Guerra Mundial, estreou em Pequim nesta terça-feira. O lançamento ocorre no momento em que Japão e China se esforçam para melhorar suas tensas relações.O filme de 90 minutos co-dirigido por Bill Guttentag, premiado com um Oscar, e o produtor Dan Sturman fará sua estréia comercial na China continental em 7 de julho, para coincidir com o 70.º aniversário da invasão japonesa ao país."O crime e o ódio do militarismo japonês deixaram uma cicatriz profunda no povo chinês, e a memória do que ocorreu nunca irá desaparecer", disse Gao Feng, presidente da CCDS, uma das distribuidoras do filme na China.A China diz que as tropas japonesas massacraram 300 mil civis - homens, mulheres e crianças - em Nanjing, então conhecida como Nanquim. Um tribunal dos aliados, após a 2.ª Guerra Mundial, avaliou o número de mortos em cerca de 142 mil.Nanking concentra-se em uma colaboração inesperada entre missionários norte-americanos e empresários nazistas alemães que viviam em Nanjing durante a invasão e criaram uma zona de segurança para refugiados chineses na cidade devastada pela guerra."Este filme trata do que a humanidade tem de melhor e de pior", disse o co-diretor Guttentag na pré-estréia.Ex-inimigosEntremeando imagens granulosas de ruas devastadas por bombas e pilhas de cadáveres de crianças com depoimentos chorosos de testemunhas chinesas falando de estupros e torturas, Nanking também inclui confissões de soldados japoneses que participaram na matança.Atores de Hollywood, incluindo Woody Harrelson e Mariel Hemingway, fazem leituras encenadas de diários escritos por ocidentais que viviam na zona de segurança. Os autores falam de chinesas que cortavam os cabelos e pintavam seus rostos de preto, para evitar ser violentadas.O filme provocou a ira de alguns parlamentares japoneses conservadores, que no mês passado o denunciaram como propaganda política e disseram que o massacre de Nanjing foi uma invenção.As relações entre os dois países ex-inimigos, embora recentemente venham melhorando, são dificultadas há anos pelo que Pequim vê como sendo a recusa de Tóquio de reconhecer as atrocidades cometidas pelo Exército Imperial japonês na China entre 1931 e 1945.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.