Filme, peça e mostra promovem o ano Grande Otelo

Os dez anos da morte de Grande Otelo, completados em 26 de novembro, passaram em branco, mas os 90 anos de seu nascimento, em 2005, terão comemorações marcantes: um espetáculo de teatro, um documentário, uma biografia, a organização de seu acervo e uma exposição sobre ele. Estes sãoos planos da produtora Sarau, que aprovou os projetos nas leisfederais de incentivo à cultura (Rouanet e do Audiovisual) e nosEstados do Rio, São Paulo e Minas Gerais, onde nasceu o ator deMacunaíma, das chanchadas da Atlântida e de quase todas asmanifestações importantes da cultura brasileira."Os meios de comunicação esqueceram Grande Otelo desdesua morte, mas ele foi citado como o brasileiro mais importantedo século 20, numa pesquisa de uma revista de circulaçãonacional no ano passado, na frente de Pelé, Villa-Lobos e TomJobim", conta a diretora da Sarau, Andrea Ribeiro. "Seu acervoestá na casa do amigo de um dos quatro filhos dele (Carlos, JoséAntônio - ator conhecido como Pratinha, Jaciara e Mário Luiz),mas precisa ser organizado e guardado adequadamente. Todo oprojeto partirá desse acervo."O projeto completo da Sarau tem um orçamento que beiraR$ 3 milhões, desmembrado em várias ações. O documentário, que será dirigido por Evaldo Mocarzel, do premiado À Margem da Imagem, custa R$ 1 milhão e terá parceria da Videofilmes, que tem uma entrevista com o ator de meia hora, inédita. Será lançado nos cinemas e em DVD. A peça de teatro, sob o comando do diretor André Paes Leme e com texto de Douglas Dwight, tem um custo inicial de R$ 500 mil, que pode ser acrescido de R$ 700 mil para viajar pelo País. O orçamento da biografia e do tratamento do acervo ainda não está fechado, mas só a digitalização fica em torno de R$ 100 mil. "As empresas interessadas podem entrar numa só ação ou se distribuir em várias", lembra Andrea, que tem planos ambiciosos. "Queremosque 2005 seja o ano de Grande Otelo."

Agencia Estado,

05 de dezembro de 2003 | 09h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.