Filme padece da estetização da violência

No filão dos filmes sobre o crime organizado no Brasil, 400 Contra Um descreve a gênese do Comando Vermelho que, em tese, teria nascido da convivência entre presos políticos e comuns na Ilha Grande. O tema já havia sido abordado, de modo ficcional, no ótimo Quase Dois Irmãos, de Lúcia Murat. No filme de Caco Souza é baseado no livro autobiográfico de William da Silva Lima.

Crítica: Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2010 | 00h00

Vindo da publicidade, Caco encontrou em Daniel de Oliveira um ótimo nome para encarnar William. É ator que faz da entrega total ao personagem uma premissa de sua vida profissional. Basta acompanhar seu trabalho em Cazuza ou Festa da Menina Morta, quando vai fundo no papel do andrógino Santinho, sob a direção de Matheus Nachtergaele.

Em 400 Contra Um as exigências não são tantas. Mesmo assim, Daniel está convincente, como de hábito. Aliás, o elenco todo responde bem à história. De Daniela Escobar, que faz Teresa, amante de William, ao bandido Cavanha, vivido por Fabrício Boliveira.

O filme não é de todo mau. Tem problemas de estrutura, que o atrapalham. O maior deles, o excesso de passagens de tempo na primeira parte. Ao pular a narrativa de ano em ano, corre o risco de desnortear o espectador. A carência maior é no aprofundamento do tema, que seria explosivo desde que saísse da superfície. Mas o filme se conforma em contar aquela que seria uma história de aventuras e amor bandido. É pouco.

Uma sequência interessante é aquela em que o personagem Cavanha (Fabrício Boliveira) enfrenta sozinho um batalhão da polícia, num cerco sem saída. O tom sacrificial lembra um pouco o de Plata Quemada, do argentino Marcelo Piñeyro, também baseado em caso real, recriado pelo escritor Ricardo Piglia no romance deste nome. É a sequência visualmente mais inspirada. O resto não está à altura e padece daquela estetização da violência que aspira tanto ao sucesso de público como o impacto da denúncia social. Não se sabe se acertará qualquer desses dois alvos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.