Filme, livro, DVD, shows...

O Pequeno Cidadão pode ter mais um filhote, no cinema. "A gente não sabe se vai ser feito, mas tem a ideia de um filme do Rafael Gomes, que tem um pré-roteiro", contou Arnaldo Antunes. "É um disco, mas foi se desdobrando em outros projetos. A gente não esperava nada disso. É bacana ver que aquilo vai dando frutos, e muito afinados com o que a gente gosta."

Nathalia Molina / ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2010 | 00h00

O disco inspirou um DVD, que acaba de chegar às lojas. O projeto surgiu a partir de vinhetas que a MTV fez de canções do Pequeno Cidadão, usando animações, para inserir em sua programação. "A gente pirou quando viu", lembrou Antunes. No DVD, cada faixa do disco foi trabalhada por estúdios de animação e artistas diferentes, com linguagem própria. "Acabou ficando um grande mosaico que é mais ou menos o panorama da produção contemporânea de animadores de São Paulo, em cima do repertório do disco."

No livro A Fantástica Viagem do Pequeno Cidadão (Editora Leya, R$ 39,90), o caminho é o oposto: as músicas se alinhavam, com o fio traçado pela narrativa de Januária Cristina Alves. Pec, um menino de sete anos, passeia por planetas e conhece personagens inspirados nas canções. Salpicadas pelas páginas estão letras das músicas, notinhas com explicações para certas palavras e ilustrações de Jimmy Leroy.

O DVD Adriana Partimpim Dois - É Show!, em película, também está nas lojas. "Estou supercontente com o resultado, acho que transmite o clima do show e ainda dá coisas que da plateia não é possível ver. Alguns palcos são muito altos, e o filme vai em cima", explica Adriana.

Festival. O Natura Nós, festival que será realizado no próximo final de semana, terá um dia dedicado ao público infantil. No domingo, passam pelo palco da Chácara do Jockey a trupe de Pequeno Cidadão, Adriana Partimpim, Palavra Cantada e Pato Fu, com seu álbum Música de Brinquedo. "Achei uma delícia participar dessa festa, com um repertório de artistas bem pensado", diz Antunes.

"O Domenico (Lancellotti), quando apresenta a banda da Partimpim, fala que o Rafael (Rocha), que divide a bateria com ele, começou a tocar aos quatro anos nas panelas da mãe dele. Toda vez que eu ouço isso, acho tão lindo porque fico imaginando aquele garoto que está lá plateia, que vai ser picado por aquilo, sabe, que ele também pode", diz Adriana. "Com esses músicos todos, acho que muita gente vai ser picada. Eu espero."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.