Filme indiano mostra prostituição como ´negócio familiar´

Rivaaz, do diretor Ashok Nanda, retrata tradição de grupos dominados por homens

Agencia Estado

07 Junho 2018 | 09h49

Um filme indiano que mostra a prostituição como um negócio familiar será exibido no Festival Internacional de Cinema de Nova York. Rivaaz, do diretor Ashok Nanda, retrata uma tradição restrita a grupos étnicos dominados por homens no centro e sul da Índia. Em alguns vilarejos, mulheres se vendem para sustentar a própria família. Irmãos de adolescentes levam clientes, e os pais negociam preços. O próprio diretor diz que não sabia da existência deste costume no país. "Quando me contaram a respeito, eu também não conseguia acreditar. Fiquei sabendo a respeito quando estava nos Estados Unidos. Alguém me mostrou um relatório da Unicef que dizia que a prostituição familiar é desenfreada em 376 distritos na Índia", afirmou o cineasta ao jornal Hindustan Times. Atores O longa conta a história de uma adolescente cujo pai quer que ela comece a se prostituir, mas a mãe protesta. "Quando conversei pela primeira vez com os atores, eles não acreditaram", conta o diretor. "Deepti (Naval, que faz o papel da mãe) disse que tinha ouvido falar a respeito, mas achava que não era verdade. Então, dei a cada um uma cópia do relatório da Unicef." "Depois de lerem o relatório, eles foram convencidos e aceitaram trabalhar no filme", acrescentou. A atriz Meghna Naidu interpreta a adolescente que será prostituída, uma menina sem grandes atrativos, segundo o diretor. "Não há lugar para uma menina comum nestes vilarejos", diz Nanda. "As famílias torturam meninas que não são atraentes, pois elas não conseguem atrair pessoas e fechar bons negócios." "Meghna interpreta uma destas garotas comuns. A família odeia a menina, pois ela não é bonita ou saudável", revela o diretor. Gerentes Ashok Nanda afirma que, geralmente, os pais são os gerentes do "negócio", e os irmãos são os cafetões oficiais. "Os irmãos trazem os clientes e os pais negociam a respeito do preço e tudo o mais", diz o cineasta. "O interessante é que estas pessoas não acham imoral e não pensam em parar. Existem vilarejos em Rajastão e Kerala onde as pessoas praticam a prostituição familiar." Rivaaz foi filmado em um vilarejo chamado Wai, em Maharashtra. "Queria filmar em um lugar onde não existe a prostituição por motivos óbvios. Então, escolhi Wai", conta o diretor. "Filmei com moradores reais do local. Inicialmente, eles não queriam atuar, mas expliquei a situação e eles concordaram." "Não é um documentário", define Nanda. "Filmei em um formato semi-comercial, pois quero que as pessoas vejam meu filme."

Mais conteúdo sobre:
Rivaaz Ashok Nanda prostituição

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.