Joe Fuda/Divulgação
Joe Fuda/Divulgação

Filho de Mick Jagger estreia no Brasil

Ele foi colega de aulas de teatro de Robert Pattinson, de Crepúsculo. Seu pai anda pelo mundo em um avião com uma língua gigantesca na fuselagem. Mas Jimmy Jagger, o primogênito de Mick Jagger, dos Rolling Stones, prefere voar sozinho a pegar carona na fama do lendário pai. "É injusto, porque eu sou de uma geração diferente. As coisas que me forjaram são o punk rock, o heavy metal. Ele ouvia blues. Então, não gosto das comparações", disse Jimmy, falando ao Estado por telefone, de Londres. Ele toca hoje com sua banda, Turbogeist, às 23h30, abrindo para o LCD Soundsystem, que ele gosta ("Adoro aquele tipo de disco punk"). O grupo está escalado para tocar em festivais importantes, como o South by Southwest, de Austin, Texas - onde nasceu a mãe de James, Jerry Hall.

Jotabê Medeiros, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2011 | 00h00

Que tipo de cantor você se considera?

Não me vejo tanto como um cantor, é secundário para mim. Me vejo mais como um guitarrista. Como cantor, gosto da voz de Paul Westerberg, dos Replacements. Gosto também de Glenn Danzig, do Misfits. São os meus modelos. Como guitarrista, sou do tipo simples, não acho que seja necessário ser muito prolixo. Na minha opinião, o mais importante é passar o sentimento. Gosto de Neil Young, de Johnny Ramone, de Joe Strummer. É nessa linha. Gosto muito desse cara, Joe Strummer. E de Greg Sage, da banda punk Wipers. Eles demonstravam que tinham um coração forte. É o tipo de coisa que eu valorizo.

Você também é ator. O que é mais fácil: atuar num filme ou subir ao palco com uma banda?

É diferente. O show não é atuação, é real. Não posso dizer que seja mais fácil ou mais difícil. No palco, eu me preocupo com minha performance, é claro. Eu quero testar meus limites, abrir meu coração. Você tem de acreditar em si mesmo para fazer um show de rock. No palco, você tem de fazer as pessoas acreditarem que você é aquele personagem. Mas não há um vácuo entre uma e outra atividade, me sinto completo nas duas.

Você se incomoda quando o comparam com Mick Jagger?

É muito perturbador para mim. Primeiro, porque eu não tenho experiência nesse tipo de coisa, acabo de chegar ao mundo da música. É injusto, porque somos de gerações diferentes. Ele ouvia blues, eu ouço punk e heavy metal. Me desaponta quando fazem isso, me deixa muito desconfortável.

TURBOGEIST. Warehouse. Rua Mergenthaler, 829 (ao lado do Ceasa). Hoje, 23h20. R$ 160.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.