Figuras, formas e os sinais de Vera Rodrigues

Ao se encontrem envolvidos pela obra de Vera Rodrigues, abrigada em seu apartamento - agora uma espécie de "galeria" póstuma - , os amigos comuns Rui Moreira Leite, Silvia Elboni, Flávio Kuschnaroff e Arnaldo Battaglini debateram durante um ano para decidir como homenageá-la. Pela quantidade de opiniões e pela diversidade do trabalho, os curadores chegaram a refazer três projetos até chegar em Figuras, formas e sinais, aberta neste sábado. A mostra, que vai de 21 de outubro a 4 de novembro, traz 80 obras, das 400 catalogadas. Este projeto, segundo Leite, respeita a trajetória da artista privilegiando as obras de seu período maduro, entre 1991 a 1997, quando Vera morreu. Os trabalhos antigos aparecem também ao destacar a fase de 1976 a 77, onde há uma valorização do volume e da forma. Além disso, haverá também suas esculturas de papel machê, entre elas Casal na praia, 1977."Paralelamente a estes trabalhos, a artista desenvolvia também outros, nos quais privilegiava o uso de linhas, mostrando o início de sua transição para um trabalho mais sensível feito em resina acrílica e pigmentos sobre papel, que viria logo depois, em 91". E é exatamente nesta fase, que comanda o primeiro bloco, que o público verá a série que alguns artistas chamam de "folhas" e que dispensa molduras e chassis, já que é "pregada" diretamente na parede. Mas Vera não era eclética somente com os temas, estilos e materiais. O tamanho de suas obras - telas gigantes, miniaturas, telas médias ou grandes - também direciona sua exposição. "São dois percursos, um onde haverá os trabalhos em formato maior, representados em três telas figurativas. E em outro bloco virá uma seqüência em formato menor, miniaturas, que estão associados à oficina da artista", explica Leite. Segundo ele, essa mescla é muito importante para o público conhecer o processo de trabalho da artista. "A pessoa vai perceber linhas de pesquisas que são abandonadas, mas que são interessantes conhecer, ao mesmo tempo que mostra a dimensão entre os trabalhos".Nascida em Lençóis Paulista, Vera estudou comunicação visual na Faap e fez diversas exposições coletivas e individuais no Brasil e no exterior. A primeira foi em 1976, no VII Salão Paulista de Arte Contemporânea. Depois ela viria a ser convidada para expor no MAM de São Paulo, logo depois na Pinacoteca do Estado, no Paço das Artes, no MAC de Campinas e em muitos outros. Pulsações, na galeria Valu Oria em 1996, foi sua última exposição.Figuras, Formas e Sinais - De 21 de outubro a 4 de novembro no espaço A Estufa. Rua Wizard, 53 - Vila Madalena (SP). De segunda à sexta das 9h às 18h e aos sábados das 10h às 13h. Entrada franca. Vernissage hoje, das 11 às 16 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.