Fiar 3 promete agitar Cachoeira e São Félix, na Bahia

"Cenário de cinema, é sério", diz a artista Tininha Llanos sobre as cidades de Cachoeira e São Félix, no Recôncavo Baiano, onde, a partir de hoje e até sábado, ocorre um festival dedicado a intervenções artísticas. Integrante do GIA (Grupo de Interferência Ambiental), coletivo de artistas sediado na Bahia e dos mais destacados do circuito - por exemplo, eles participam da atual edição da mostra do projeto Rumos Artes Visuais do Itaú Cultural, em São Paulo -, Tininha organiza, há três anos, o Fiar, Festival de Intervenções Artísticas do Recôncavo. Mais de 50 artistas brasileiros e outros latinos vão criar obras especialmente para o evento e, mais ainda, participar de debates, oficinas e encenações abertos ao público em geral.

AE, Agência Estado

29 de fevereiro de 2012 | 10h55

O desafio é integrar criação artística à paisagem e ao espaço urbano, agir em uma região no interior do Estado da Bahia fora do eixo Salvador-Sudeste. Todas as edições do Fiar ocorreram em Cachoeira e São Félix, localidades tombadas pelo Iphan. São duas cidades que ficam uma de frente para a outra, com uma ponte sobre o Rio Paraguaçu. "Arte urbana nos grandes centros fica muito vinculada à publicidade. O interior ainda não foi invadido pelo show biz", diz Tininha Llanos. O festival tem, assim, o seu caráter reflexivo, como também chama a atenção para uma via "relacional" entre pessoas e o espaço da cidade.

A feira livre de Cachoeira, por exemplo, atrai um público grande, de 500 a 1 mil pessoas vindas de lugares diversos, inclusive, "da roça". Interessa ao festival justamente a audiência espontânea e imensurável -, mas há os interessados em artes visuais e artistas locais que cativamente participam das atividades do Fiar, mais um evento da região, assim como a já conhecida Bienal do Recôncavo.

A performance de abertura desta edição do festival, hoje, do coletivo Mucambo Nuspanoça, do Piauí, ocorre justamente na feira de Cachoeira, onde os artistas WG e Gilsão pretendem criar grafites em roupas dos transeuntes. Mas as intervenções artísticas do evento são diversas, trazem desde uma instalação com guarda-chuvas com sensores no Jardim Grande da cidade, a realização de oficinas de fotografia pinhole e de animação em película, respectivamente, com Bianca Portugal e com Paula Damasceno no Bairro do Tororó, e de passeios de barco até a criação do Flutuador, uma ilha estética feita de garrafas de plástico e criada pelo GIA para o Rio Paraguaçu. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
exposiçãoFiar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.