Festival Perc Pan comemora 15 anos com grupo Stomp

Atração americana é a principal do evento, que traz também Laudir de Oliveira e grupos da Espanha e Cuba

Lauro Lisboa Garcia, de O Estado de S. Paulo,

11 de setembro de 2008 | 09h33

Com a reputação de ser o mais significativo festival do gênero no País e na América do Sul, o Perc Pan - Panorama Percussivo Mundial - festeja 15 anos em Salvador (no Teatro Castro Alves) e no Rio, a partir de segunda, com uma programação robusta. A atração de maior repercussão internacional é o grupo americano Stomp, que combina música, dança e malabarismo. Do exterior, também vêm as espanholas do Faltriqueira, o grupo africano Amazones e os cubanos do Sintese.     Grupo Stomp, atração de maior repercussão internacional do Perc Pan este ano. Foto: DivulgaçãoOutros nomes de peso são os brasileiros Laudir de Oliveira e Wagner Tiso. Os baianos são representados pela Orkestra Rumpilezz, que fazem música inspirada no jazz e no candomblé, e por Orlando Costa, que já tocou com Caetano Veloso, Marisa Monte e Ney Matogrosso, entre outros. O elenco se completa com os cariocas dos Ritmistas.Entre as boas novidades do festival está a mudança de local dos shows no Rio. Depois da experiência frustrada na Fundição Progresso - que é um lugar muito bonito, porém, com acústica precária -, o evento ocupa o recém-reinaugurado Teatro Casa Grande."Na Fundição não dava para fazer mais. Por causa da acústica, tanto o público como os artistas saíram prejudicados", diz a antropóloga e produtora baiana Beth Cayres, idealizadora do Perc Pan. Ela também divide a curadoria do festival com o percussionista carioca Marcos Suzano, que atua como anfitrião e faz a ligação entre os convidados com improvisos e prováveis participações nos shows. As informações são do Jornal da Tarde.

Tudo o que sabemos sobre:
músicafestivalPerc Pan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.