Nicolas Guerin/New York Times
Nicolas Guerin/New York Times

Festival do Rio exibe mais de 300 filmes a partir de quinta

Quinta-feira à noite, o Festival do Rio estende o tapete vermelho para Arnaldo Jabor e se inicia - numa sessão para convidados - sob o signo de A Suprema Felicidade. No dia seguinte, começa a maratona para o público. Como a Mostra de São Paulo, o festival compõe-se de várias seções e homenagens, totalizando mais de 300 títulos. Haja fôlego para ver tantos programas.

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2010 | 00h00

Desde ontem, os cinéfilos mais afoitos já podem comprar ingressos via internet, no site www.festivaldorio.com.br, que tem a lista completa dos filmes e as datas de exibições. Quer saber dos vencedores de Cannes (Uncle Bonmee Who Can Recall His Past Lives, de Apichatpong Weerasethakul) e Veneza (Somewhere, de Sofia Coppola) ou do novo Woody Allen (Você Vai Conhecer o Homem de Seus Sonhos)? A esta altura, os ingressos já devem estar se esgotando. Os cinéfilos cariocas, como o público da Mostra, corre primeiro para ver os grandes filmes avalizados pelos maiores festivais do mundo.

Menina dos olhos da autora de seleção, Hilda Santiago, a Première Brasil é uma mostra competitiva dividida em ficções e documentários. A maioria é de inéditos. Cineastas de São Paulo estão levando suas produções para os holofotes da Première. Entre as ficções, estão Boca do Lixo, de Flávio Frederico, e VIPs, de Toniko Mello. Entre os documentários, Histórias Reais de Um Mentiroso, de Mariana Caltabiano, e Santos Dumont: Pré-Cineasta?, de Carlos Adriano.

Todo ano o festival põe o foco na produção de um país. Este ano, a Argentina foi a escolhida, o que permitirá avaliar a produção do país vizinho, baseada em histórias com o pé na realidade, bem escritas e interpretadas. Filmes sobre meio ambiente, novos rumos, sessões da meia-noite, sexualidades alternativas - há de tudo, para todos.

Homenageados de 2010, o francês Bruno Dumont, o polonês Jerzy Skolimowski e o israelense Amos Gitai ganham retrospectivas e os dois primeiros contemplam o público com master classes. Se o festival inteiro é uma festa de cinéfilos, as lições de cinema são a cereja do bolo.

DESTAQUES DA MOSTRA

Je Suis Heureux Que ma Mère Soit Vivante, de Claude e Nathan Miller

À L"Origine, de Xavier Giannoli

A Somewhat Gentle Man, de Hans Petter Moland

Minhas Mães, Meu Pai, de Lisa Cholodenko

A Woman, a Gun and a Noodle Shop, de Zhang Yimou

Loose Cannons, de Ferzan Ozpetek

The Housemaid, de Im Sang-Soo

Você Vai Conhecer o Homem dos Seus Sonhos, de Woody Allen

Tournee, de Mathieu Amalric

I Wish I Knew, de Jia Zhang Ke

Room in Rome, de Julio Medem

Nostalgie de la Lumiere, de Patricio Guzman

Copie Conforme, de Abbas Kiarostami

Route Irish, de Ken Loach

Carlos, de Olivier Assayas

The Town, de Ben Affleck

Rio Sex Comedy, de Jonathan Nossiter

The Solitude of Prime Numbers, de Saverio Constanzo

Nowhere Boy, de Sam Taylor Wood

Somewhere, de Sofia Coppola

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.