Festival de Berlim celebra cinema sul-americano

Pelo segundo ano consecutivo, o Festival de Berlim celebrou a força do cinema sul-americano. No ano passado, o vencedor do Urso de Ouro foi o filme brasileiro Tropa de Elite, de José Padilha. Neste ano, houve uma dupla - ou quádrupla, ou quíntupla - vitória das cinematografias de Latino América. Os dois filmes latinos da competição - o peruano La Teta Asustada, de Claudia Llosa, e o uruguaio Gigante, de Adrián Biniez - ganharam cinco prêmios. O drama uruguaio ganhou o prêmio de melhor filme de diretor estreante, o Alfred Bauer - que contempla uma obra inovadora, dividido com Tatarak, do veterano Andrzej Wajda - e também dividiu um terceiro prêmio, o Urso de Prata relativo ao Grande Prêmio do júri (e, desta vez, o outro agraciado foi o alemão Alle Anderen/Everyone Else, de Maren Ade). Claudia somou ao seu Urso de Ouro de melhor filme o prêmio da Fipresci, Federação Internacional da Imprensa Cinematográfica. É raro que um mesmo filme consiga ganhar os prêmios do júri e da crítica. A felicidade de Claudia era compartilhada por Adrián Biniez. Ao subir pela terceira vez ao palco do Berlinale Palast, o palácio do festival, o jovem diretor já não sabia mais a quem agradecer. Podem-se discutir as escolhas do júri presidido pela atriz Tilda Swinton, mas não faltaram coerência nem conceito à premiação. O júri fez uma clara opção pelos novos talentos e pelo cinema mais independente. As informações são do Jornal da Tarde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.