Festival Cena Contemporânea é realizado em Brasília

Programação busca refletir sobre representatividade política e identidade

Maria Eugênia de Medeiros, O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2013 | 11h05

O festival Cena Contemporânea 2013, que começou na terça em Brasília e acontece até o dia 1º de setembro, manteve o tom de sua última edição e trouxe uma programação de forte cunho político. Serão 26 espetáculos de dança e teatro que buscam trazer uma reflexão sobre representatividade política e identidade.

A maior parte dos espetáculos internacionais é inédita no País. Além das criações de Roger Bernat, o público também poderá assistir a obras como 66 Gallery, da diretora francesa Bérangère Jannelle. A peça é uma versão para o afamado poema Uivo, de Allen Ginsberg. Seus versos são uma espécie de manifesto da cultura beat. Mas seu significado não se encerra aí. Também contextualiza a realidade americana na época em que foi lançado, 1956, e faz uma aguda crítica às posturas do Macartismo então vigente. A proposta da diretora é trazer um ator, que é norte-americano e vive em Paris, dividindo a declamação do poema com o próprio Ginsberg, que é projetado num telão. Ao público, cabe fazer um percurso, repleto de sinais do escritor, até conseguir alcançar o palco.

Da Espanha vem a criação La Tristura. Sua proposta é trazer quatro crianças representando questões elaboradas por quatro adultos que os ensaiaram. Cria-se um jogo de espelhos, como se os atores infantis fossem as crianças que os intérpretes adultos foram um dia, refletindo sobre o que fizeram do sonho que tinham e sobre o que se tornaram com a maturidade.

A Mulher que Matou os Peixes parte do texto de Clarice Lispector, mas trata-se de uma montagem francesa, do diretor Bruno Bayen. O espetáculo foi criado no Théâtre de La Bastille, por ocasião do Festival de Outono de Paris.

Na parcela nacional da grade os destaques ficam por conta de Cine Monstro, criação do diretor Enrique Diaz, e de O Duelo, da Mundana Companhia. Dirigida por Georgette Fadel, a peça se baseia em um texto de Chekhov e traz Pascoal da Conceição, Camila Pitanga e Aury Porto no elenco.

Além das palavras

Em sua 14ª edição, o festival também se propõe a trazer uma programação musical. Entre os shows previstos, há apresentações de Actitud María Marta, grupo de hip hop argentino, e da banda Móveis Coloniais de Acaju

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.