Festa para os 75 anos de angústia

Obra de Graciliano Ramos ganha nova edição além de ciclo de debates

UBIRATAN BRASIL, O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2011 | 06h10

A vida foi a grande inspiração para o escritor Graciliano Ramos (1892-1953). Ele nasceu em Quebrangulo, interior de Alagoas, onde a água era pouca e a fome, muita. Tais condições talharam sua alma de forma permanente, influenciando sua obra, composta por observações colhidas da vivência pessoal e marcada pela rudeza da paisagem nordestina. Sob um estilo severo de escrever, Graciliano conseguiu um equilíbrio profundo entre a investigação psicológica e a situação social de seus personagens.

É o caso de Vidas Secas e São Bernardo, entre outros, e também de Angústia, que acaba de ganhar pela Record uma edição especial por conta dos 75 anos de lançamento. A obra traz posfácios de Otto Maria Carpeaux e Silviano Santiago, além de apresentação de Elizabeth Ramos, professora de literatura e neta de Graciliano.

Publicado em 1936, quando o escritor estava preso por conta da arbitrária repressão getulista ao levante comunista de outubro de 1935, Angústia tem uma estrutura de autobiografia, o que leva até a considerá-lo como espécie de diário íntimo. Narrado em primeira pessoa, o livro acompanha a rotina de Luís da Silva, funcionário público pobre e rancoroso que, por conta disso, torna a escrita nebulosa e delirante.

"Angústia funda-se na construção da intimidade", escreveu o professor Ivan Teixeira, em artigo publicado pelo Estado em 2000. "Manifesta-se sob a forma de relato desesperado de um intelectual sem vocação para o crime, mas que, levado pelo ciúme e pelo desejo de justiça, assassina o homem que roubou sua amada. Depois, levado pela necessidade de confissão, escreve a história do próprio crime, em cujo texto projeta a mesma atmosfera de delírio e fragmentação psicológica que praticamente o conduzira à loucura."

Tais características certamente vão ser discutidas no ciclo de debates que começa hoje, a partir das 10 h, com entrada gratuita, no prédio de Ciências Sociais e Filosofia da USP (Av. Luciano Gualberto, 315, sala 8), e será aberto com um depoimento do crítico Antonio Candido. O seminário segue depois para outras cidade - detalhes no site www.gracilianoramos.com.br

Ótima oportunidade para se (re)descobrir o imbatível estilo do escritor, assim descrito por outro brilhante autor, João Antonio: "Comedido, enxuto, implacável consigo mesmo, direto na forma, Graciliano era um ousado de porte e viria, pelo talento e pela contundência, revelar ao País, com força irrespondível e nunca demagógica, a consciência da miséria e atirar de frente, às chamadas elites, a notícia funda da existência de brasileiros de 'vidas secas'".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.