Festa na Nigéria estimula solteiros a se casar

Festividade celebra ramadã com caça simbólica a solteiros e incentivo ao casamento

Andrew Walker, BBC

23 de setembro de 2008 | 06h18

Uma festa popular onde solteiros são "incentivados" a se casar está sendo celebrada no norte da Nigéria. Até 1º de outubro, o "Caçador de Solteiros" e sua banda vão sair todas as noites pelas ruas de Kano, exibindo à multidão em festa um homem solteiro desavisado que o grupo prende com um laço no pescoço. O carnaval é parte do mês sagrado islâmico do Ramadã, período em que os muçulmanos jejuam enquanto há luz do dia. Nos tempos de hoje, o solteiro preso no laço é simbólico, escolhido previamente para o evento. Mas, no passado, a trupe de percussionistas, conhecida como Nalako, saía pelas ruas à procura de homens que, na opinião do grupo, deviam fazer a coisa certa e se casar. O título de Caçador de Solteiros - ou Sarkin Nalako - da cidade de Kano tem sido passado de pai para filho há três gerações, explica o atual titular, Auwalu Nalako. "Isto é algo que meu pai fez, e que o pai dele fez antes dele. É muito importante", diz. Auwalu diz que seus dois filhos vão assumir o título depois dele. Depois do pôr do sol, quando os muçulmanos quebram o jejum, é tradicional entre os moradores de Kano que os homens jovens saiam às ruas, de casa em casa, dançando e cantando em grupos. A população faz doações de comida e dinheiro aos foliões. Mas as canções do grupo Nalako tem uma mensagem especial. As letras das músicas chamam os homens solteiros de "cachorros" e dizem que suas orações durante o Ramadã não têm qualquer valor. O Sarkin Nalako se veste como um caçador e sua presa, ou seja, o solteiro, é exibida com um laço pendurado no pescoço. Tinta azul é jogada em seu rosto. As músicas do grupo são acompanhadas por tambores feitos com pele de cabra e sinos de metal. "É importante encorajar pessoas a se casar para evitar a imoralidade de relações sexuais com várias pessoas", diz o Sarkin Nalako. Na tradição da etnia haussá, uma das maiores da Nigéria, um homem não pode ser reconhecido como adulto a não ser que ele se case.       BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
nigériacultura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.