Fernando Sabino lutou contra o câncer por dois anos

Os filhos do escritor Fernando Sabino, que morreu às 13 horas de hoje em decorrência de câncer no fígado, Mariana e Bernardo Sabino, conversaram agora há pouco com os jornalistas que estão na porta do prédio em que o escritor morava, em Ipanema. Eles disseram que o câncer foi descoberto há dois anos. Na ocasião, o escritor reuniu a família e pediu para ser tratado em casa. Com o início do tratamento, que incluiu algumas sessões de quimioterapia, os exames mostravam a regressão da doença. Mas há dois meses descobriu-se que havia ocorrido metástase. Desde quinta-feira, segundo Bernardo, Sabino estava sedado porque vinha sentindo muitas dores. Os filhos revelaram que, antes do agravamento da doença, o pai estava trabalhando, mas mantinha segredo sobre o projeto, que não revelava nem para sua editora, a Record. O último lançamento, Os Movimentos Simulados, foi escrito quando tinha apenas 22 anos e morava em Nova York, mas chegou às livrarias somente este ano.Segundo informação da assessoria da editora, Fernando Sabino insistia em um desejo: que não fossem lançadas obras póstumas. Por isso, em 2000 escreveu a autobiografia Livro Aberto e passou a organizar as cartas que enviou a amigos ilustres. Desta seleção, saiu o livro Cartas Perto do Coração, reunindo a correspondência com Clarice Lispector, Cartas na Mesa, com os amigos Otto Lara Resende, Paulo Mendes Campos e Hélio Pellegrino, e Cartas a um Jovem Escritor e suas Respostas, com Mário de Andrade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.