Fernando Morais faz "biografia" da W/Brasil

A agência de publicidade W/Brasil vai ganhar uma "biografia" assinada pelo escritor e jornalista Fernando Morais, o mesmo que publicou histórias sobre Cuba, Olga Benário e Assis Chateaubriand. A divulgação do livro foi feita esta manhã, durante a comemoração dos 15 anos da agência. A obra já tem nome e data certa para ser lançada: W/Brasil, uma Biografia Semi-autorizada, que estará nas livrarias a partir de 8 de julho do próximo ano, quando a empresa faz mais um aniversário. "Espero terminar as gravações com as entrevistas até dezembro. A partir daí devo começar a escrever o livro e pretendo entregá-lo à editora em abril ou maio do ano que vem", conta Morais. Ainda não está fechado, mas a Companhia das Letras deverá publicar a biografia. "Não tenho contrato de exclusividade com a editora, mas como ela vem publicando todos os meus livros, é bem provável que também edite este", acredita Morais. Washington Olivetto, proprietário majoritário da empresa, fez o convite a Morais em abril deste ano. "Estava sem saber se ele aceitaria a proposta porque achei que poderia ser muita pretensão da minha parte. Marquei um almoço e arrisquei. Deu certo", diz Olivetto. A idéia foi bem recebida pelo autor: "Será ótimo. Poderei contar a história da W/Brasil e aproveitar o tema para escrever sobre o cenário publicitário no Brasil nesses 15 anos. Como é que não tive esta idéia antes?", perguntou. De acordo com Morais, sua ambição de traçar um panorama da publicidade brasileira neste livro. O autor garante que não receberá influência da empresa para contar sua história. "A partir de agora, vou fazer tudo do jeito que já estou acostumado. Tanto que vou contar até que, ao contrário do que garante a agência, a W/Brasil já fez publicidade para o governo, sim. Foi para mim", brinca. Ele fez mistério sobre a ocasião em que isso ocorreu e disse que contará os detalhes no livro. Os direitos autorais, de acordo com Olivetto e Morais, pertencerão ao autor. No período em que estiver escrevendo o livro, o escritor receberá uma bolsa da W/Brasil, cujo valor não foi revelado. Há pouco mais de um mês, o livro começou a ser confeccionado. "Estamos colocando a idéia na prática. Já tenho 20 horas de entrevistas gravadas com Washington, que dão mais ou menos 700 laudas, agora que o segredo foi anunciado vou começar a entrevistar outras fontes importantes. Tenho muita gente para ouvir", afirma Morais. Segundo ele, o livro deverá ter o mesmo tamanho dos outros, uma média de 400 páginas. "Não será excessivamente grande. Será um livro saborosíssimo", garante. O autor - Fernando Morais nasceu em Mariana, Minas Gerais, em 1946. Começou a trabalhar aos 13 anos como repórter de um jornal de bairro, em Belo Horizonte. Quando se mudou para São Paulo, em 1965, era funcionário do recém-fundado Jornal da Tarde, vespertino de O Estado de S.Paulo - onde, trabalhou durante oito anos. Em 1970 recebeu o primeiro Prêmio Esso, de reportagem, pela série Transamazônica. Tem reportagens publicadas na França, Itália, Chile, Cuba, Estados Unidos, Espanha, México e Alemanha. Seu livro A Ilha foi reeditado depois de vender mais de 300 mil exemplares no Brasil. Olga vendeu cerca de 350 mil unidades no País e foi traduzido para outras línguas. Chatô, o Rei do Brasil(biografia do falecido jornalista Assis Chateaubriand) ocupou durante várias semanas o primeiro lugar na lista dos best sellers brasileiros de não-ficção e vendeu mais de 250 mil exemplares. O livro serve de base para o longa-metragem dirigido por Guilherme Fontes, mas cujas filmagens foram interrompidas há cerca de um ano. O ator produziu a série O Dossiê Chatô, exibida pela Globosat. Morais foi deputado estadual pelo PMDB por duas legislaturas, vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas do Estado de São Paulo, secretário de Estado da Cultura e da Educação. Seu último livro, Corações Sujos, lançado no final do ano passado, está há 27 semanas na lista dos mais vendidos da revista Veja. Atualmente, escreve a biografia de Antônio Carlos Magalhães, além de preparar o trabalho para a W/Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.