Fernanda Young e suas declarações anormais

Do alto da ´autoridade´ de seus 32 anos, quatro livros publicados, uma sitcom de sucesso e alguns projetos para cinema, Fernanda Young primeiro faz cara de conteúdo, para em seguida balançar as mãos, numa desmunhecada ostensiva. É o sinal para os telespectadores do Saia Justa, programa do GNT, de que lá vem frase de efeito: "Sou bonita, não preciso ser inteligente". Diante dessas pérolas, suas colegas de sofá - a atriz Marisa Orth, a cantora Rita Lee e a jornalista Mônica Waldvoguel - primeiro se entreolham, para depois entrar no debate. Em um ano de programa, cada vez mais as bombas de Fernanda têm retumbado, com reflexões do tipo "Felicidade é comprar coisas" ou "tô cagando para a Mesopotâmia". Mas a polêmica mesmo estourou há alguns dias, quando, em uma discussão sobre a beleza de um sorriso dos velhinhos, Fernanda disparou: "Eu tô cagando pra velho". E arrematou: "Eu tenho uma teoria que até já escrevi a respeito. Todo velho é um filho da p... que envelheceu. Sabe aquela história de que ´vaso ruim não quebra´? Pois é, pra mim, velho é um vaso ruim." Só essa declaração abasteceu uma série de discussões na mídia, além de uma série de salas na Internet. Até corrente por emails, sempre de internautas enfurecidos, Fernanda despertou. Procurada para dar explicações, a autora seguiu na sua postura, alegou que a revolta era falta de humor do público e da crítica. E arrematou: "Todos os sorrisos me comovem, desde que tenham afeto." A tal polêmica dos velhinhos, que fez mais barulho entre os poucos que têm acesso a televisão a cabo, teria até passado logo. Mas acabou despertando a atenção para a autora. Parte do público e da crítica mudaram o foco e começaram a reclamar da terceira temporada de Os Normais, este na televisão aberta, considerado produção categoria cinco estrelas da Globo.Leia mais

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.