Fernanda Vogel, a nova estrela da moda

Ela está na praia, com seu 1,75 metro e 58 kg distribuídos em um corpo de fazer inveja. As medidas: 90 de busto, 66 de cintura e 92 de quadril. O ator Claudio Heinrich olha a beldade e diz: "Acho que hoje vou me dar bem...!". A principal protagonista dessa cena, a modelo Fernanda Vogel, não estará na passarela do São Paulo Fashion Week e, talvez, nem mesmo na platéia do prédio da Bienal, onde ocorre a partir dessa quinta-feira o principal evento da moda brasileira. Ainda assim Fernanda será vista por milhões de pessoas em comerciais de refrigerante, cerveja, sorvete, chocolates e, claro, de sandálias para a praia. Aos 20 anos, a carioca Fernanda Vogel Mesquita tem o rosto e o corpo mais fotografados da mídia nacional e é uma das novas promessas morenas de revelação no mundo fashion. O estilo mulher voluptuosa, corpo de curvas acentuadas e seios volumosos, é característico de Fernanda e compõem atualmente uma espécie de preferência estética nacional. Quem hoje, no mundinho fashion, preenche estes requisitos, está se dando bem. "Antigamente eu ia fotografar e as roupas não caíam bem. Eu tinha muito seio! Agora sou escolhida justamente por isso", afirma Fernanda, que já emprestou a imagem de seu corpo para pelo menos uma dúzia de comercias da Antarctica, Nestlé, Telefônica, e, é claro, de editoriais e catálogos de moda. Divulgação/ Nascida em Itaboraí, no Rio de Janeiro, Fernanda começou a trabalhar como modelo aos 8 anos, quando a mãe a inscreveu num concurso da revista Pais e Filhos. "Na época eu fazia vários desfiles para a linha infantil da Hering", conta Fernanda. Os traços marcadamente brasileiros do rosto exótico vieram da mistura de pais brasileiros e avós austríacos. Aos 15 anos, por iniciativa própria, foi procurar a Ford Models, o que lhe rendeu uma estadia de 3 meses na Alemanha e um contrato de dois anos. Logo depois transferiu-se para a Agência Mega, onde conheceu o diretor Ike Cruz, com quem é casada há dois anos. Na Mega sua carreira começou a deslanchar. "A agência percebeu que eu podia crescer e investiu em mim", conta ela. Apesar do talento e das formas exuberantes, o casamento com um dos proprietários da casa rendeu comentários maldosos. "Tem muita gente que acha que cheguei até aqui com ajuda de meu marido", conta. "Mas a verdade é que agora meu estilo está na moda", afirma.Um momento importante de Fernanda no Rio foi em 99, quando ela "era a fachada" do shopping Fashion Mall. O gigantesco outdoor, no qual aparecia vestida apenas com um tapa sexo em formato de folhinha de parreira no melhor estilo Eva tumultuou o trânsito da estrada da Gávea. Depois disso Fernanda Vogel não parou mais de aparecer. O jeitão descolado de garota carioca rendeu convites para trabalhar na Itália, em Milão, e inúmeras aparições em comerciais para a tevê - todos enfocando seu corpo generoso. No comercial do chocolate Prestígio, da Nestlé, o apelo sensual ficou por conta da associação entre abrir a embalagem do chocolate e tirar a roupa, aos poucos, no mesmo ritmo em que a barra de chocolate vai sendo aberta. Divulgação/ Manter a boa forma, segundo ela, não exige muitos esforços. "Não sou daquelas que toma só água, sou mesmo é viciada em chocolate", revela. No entanto ela não esconde que uma certa dieta de baixas calorias, malhação na Lagoa Rodrigo de Freitas, muito handball, vôlei orientado e salão de beleza pelo menos duas vezes por semana são um ritual sagrado e pouco secreto de beleza.A modelo também tem representação profissional na Alemanha e em Miami, por onde protagonizou os editoriais de moda no exterior. "Acho que eles, os produtores do hemisfério norte, gostam da mulher brasileira, mais bronzeada, tipo gostosona, e como tenho não um corpo que possa ser considerado exatamente magro, visto bem lingerie, maiôs e biquinis", comenta. Divulgação/ Essa imagem de sensualidade também pode ser um fator negativo. No ano passado, exatamente no verão do topless do Rio de Janeiro, Fernanda Vogel estava na capa e em um ensaio fotográfico na revista Trip. No ensaio, Fernanda vestia apenas a calcinha de um biquíni cor da pele. Os seios estavam nus, ou parcialmente cobertos de areia. "Não gostei do resultado, fiquei muito vinculada à essa imagem de mulher de peito grande. Decidi então que era hora de mudar meu perfil. Hoje quero fazer mais desfiles e editoriais", comenta Fernanda, que pretende seguir os passos das modelos Cássia Ávila e Camila Spinoza. Para isso, está se mudando do Leblon, no Rio de Janeiro, para a Vila Olímpia, em São Paulo.Ike, o marido dá total apoio: "Hoje ela é conhecida 20% no Rio e no exterior. Os outros 80% das referências estão em São Paulo", diz ele. As novidades para este ano são a aparição num ensaio sensual clicado pelo fotógrafo Ségio Dedivits para o site Morango. Ela aparecerá de bustiê, calcinha e, nas mãos de dedos longos, uma pistola de água. Um novo comercial para a Antarctica deve ser novamente estrelado por Fernanda Vogel, mas desta vez ela será o personagem principal, uma deusa para quem um ator tenta se declarar sem sucesso. Ele acaba achando inspiração na cerveja. Fernanda também acaba de participar dos desfiles Outono/Inverno 2001 na feira CouroModa, em São Paulo. Ser modelo a vida inteira? Ela diz que não. Ela planeja cursar jornalismo. Convites para posar nua em revistas masculinas estão fora de cogitação. "É um trabalho que não tem a ver comigo. Além disso, não gostaria de ver, por exemplo, os amigos de meu irmão de 11 anos fazendo ´aqueles´ comentários a meu respeito", diz.Cumprir essa promessa será difícil. Pelo menos dois departamentos de produção de revistas masculinas mensais preparam contratos cheios de zeros para o segundo semestre. E os especialistas dizem que essa etapa é inevitável para quem, assim como os personagens dos comerciais dos quais participa, sonha com o posto de nova cara feminina do Brasil.

Agencia Estado,

30 de janeiro de 2001 | 22h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.