Fernanda Montenegro fala sobre seu papel em "Esperança"

É difícil imaginar que aos 57 anos de carreira a atriz Fernanda Montenegro ainda possa se surpreender com algum tipo de personagem dentro de sua profissão. Mas graças à parceria entre o diretor Luiz Fernando Carvalho e o autor Benedito Ruy Barbosa, isso ainda é possível. Foi justamente o talento desses dois profissionais, aliados ao elenco de primeira linha da Rede Globo, que fizeram com que Fernanda aceitasse o convite para interpretar a cativante Nona Luisa nos primeiros capítulos de Esperança, que entra no ar no horário nobre da Globo a partir de hoje. Será ela a única pessoa que apoiará sua neta Maria (Priscila Fantin) no romance com o jovem Toni (Reynaldo Giannechini). "O Benedito nunca faz uma novela que seja apenas uma história de amor ´água com açúcar´. Nos textos dele, junto com a trama romântica, que naturalmente esquenta a história do ponto de vista emocional, sempre existe uma posição clara de um problema social do País", elogia Fernanda, que ainda não sabe se deverá participar de novos capítulos, além dos 14 capítulos que havia combinado com Luiz Fernando Carvalho. "Como não esperava fazer esta novela, minha vida tomou outros rumos para o segundo semestre, principalmente na área de cinema", ressalta a atriz, que atualmente grava O Redentor sob direção do filho Cláudio Torres e já está confirmada no elenco de Do Outro Lado da Rua.Longe do vídeo desde janeiro, quando finalizou seu trabalho como a protagonista Lulu de Luxemburgo em As Filhas da Mãe, de Silvio de Abreu, Fernanda garante não ter se incomodado com o final antecipado da novela, encerrada por causa do retorno de audiência abaixo do esperado. "O Jorginho (Jorge Fernando, diretor) concluiu a novela lá em cima, com 39 pontos de Ibope. Todo o elenco, assim como eu, foi contratado para a novela. Quando mandam a gente fazer a novela, a gente faz; quando mandam terminar, a gente termina. Não temos nenhum poder sobre a novela e nem costumo opinar a respeito".Ela também prefere não levar em conta as variações de Ibope, que interferem diretamente na grade de programação da emissora. "Sinceramente, não sei como funciona o Ibope. Acontece muito de uma novela que está com pouca audiência ser substituída por outra interessante, mas que também não dá Ibope. Aí aparece uma outra e dá um estouro de audiência. É uma verdadeira gangorra."Agência Estado - Houve algum tipo de preparação especial para criar a Nona Luisa?Fernanda Montenegro - Todo o elenco passou por uma preparação estimulante que ajudou cada um a desenvolver seu papel, como dois meses de aulas sobre o domínio da prosódia italiana. Também fiquei durante um mês na Itália, junto com outros atores do elenco. Além disso, estamos sob a direção extraordinária, sensível e apaixonada do Luiz Fernando Carvalho, e o texto maravilhoso do Benedito Ruy Barbosa. Esta não é a primeira vez que você trabalha com essa dupla, não é mesmo?Não, já fizemos outras coisas juntos. Trabalhei com o Luiz Fernando na minissérie Riacho Doce e em Renascer, que também era um texto belíssimo do Benedito. Ele nunca faz uma novela que seja apenas uma história de amor ´água com açúcar´. Nos textos dele, junto com a trama romântica, que naturalmente esquenta a novela do ponto de vista emocional, sempre existe uma posição clara de um problema social do País. Suas novelas são sempre muito bem estruturadas e são muito mais do que uma simples trama amorosa. Assim como em Renascer, você só fará uma participação especial ou deverá voltar à novela mais adiante?Não sei, estão até falando na volta da personagem, mas depende muito da minha agenda de trabalhos. Como não esperava fazer esta novela, minha vida tomou outros rumos para o segundo semestre, principalmente na área de cinema. Quando me convidaram, achei uma coisa muito interessante para se fazer em televisão e fechamos minha participação nos 14 capítulos iniciais. E quais são seus planos para o segundo semestre? Já estou gravando o filme O Redentor, com direção e roteiro de Cláudio Torres e produção da Conspiração Filmes, e devo começar em breve outro filme, Do Outro Lado da Rua. Também vou fazer oficinas de dramaturgia em quatro cidades do País, patrocinadas pela Brasil Telecom. Em cada cidade devo passar uns 10 dias por mês. Vou trabalhar com grupo de estudantes e profissionais iniciantes, falando sobre teatro e trabalhando textos com os alunos. Já fiz isso em Salvador, Curitiba e Barbacena, e as próximas cidades são Brasília, Florianópolis, Goiânia e Porto Alegre. Muitas atrizes se negam a revelar a própria idade porque alegam que esse fator pode afastar novas possibilidades de emprego. Sua idade nunca chegou a lhe causar problemas?Não adianta mentir a própria idade. Quando a gente pega a sinopse lê a descrição do personagem: "João das Quantas, 85 anos; Mariquinha da Silva, 15 anos...". Trabalho desde os meus 15 anos e até hoje, com 72, sempre acompanhei a idade dos meus personagens. Não há como esconder isso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.