Fernanda Montenegro abre amanhã conversas sobre a delicadeza

No Dia Internacional da Mulher, oCentro Cultural Banco do Brasil oferece ao público aoportunidade de conversar com Fernanda Montenegro. Encontroscom Fernanda, que estréia amanhã no CCBB, pode propiciarao espectador um bate-papo de verdade com a atriz. Antes de maisnada, o público não estará diante de uma das inúmeraspersonagens que a talentosa artista de 72 anos encarnou noteatro ao longo de 52 anos de carreira, em 58 espetáculos. Fernanda Montenegro entrará no palco falando os versosda canção Todo o Sentimento, de Chico Buarque - ´depois dete perder/te encontro com certeza/talvez no tempo da delicadeza´- iniciando uma espécie de curto recital, onde falará textos deClarice Lispector, Simone de Beauvoir, Hilda Hilst e CornélioPena. Todos terão como tema a delicadeza. Em seguida, ela passaa palavra para os espectadores, com os quais pretende trocarimpressões sobre o tema. Há dois anos, Fernanda Montenegro vem realizandoencontros com o público por várias cidades do Brasil. Areportagem acompanhou um desses Encontros com Fernanda, nacidade de Taubaté, onde a atriz respondeu a perguntas sobre osmais diversos temas para uma platéia de 500 espectadores quelotou o Teatro Metrópole. Na época, Fernanda acompanhava peloBrasil uma exposição itinerante de fotos de sua carreira. A constatação da existência de um público ávido por essatroca de idéias levou a atriz a criar um pequeno roteirotemático para o que antes era apenas um bate-papo informal."Entrei no site do CCBB na Internet - que pode ser acessado portodos - e vi que havia a possibilidade de entrar com um projetopara esse mês da mulher. Fiz a inscrição e o projeto foiaprovado. Acho importante ressaltar que passei pelos canaiscompetentes. Que não é por ter uma sobrevida de mais de 50 anosno teatro que podemos passar por cima das pessoas." Foi comesse tipo de vigilância ética sobre o próprio comportamento queFernanda imprimiu fortemente no imaginário popular brasileirouma imagem de mulher íntegra, imagem que permeia ou intermedia,claramente, sua relação com o público nesses encontros. Para um projeto cujo objetivo era, desde o início,estrear no Dia Internacional da Mulher, o tema deveria girar emtorno do universo feminino. "Ao contrário dos encontrosanteriores, desta vez não sou eu ou minha carreira que estará emdebate", diz. A idéia é mesmo sobre a mulher. "A mudança nocomportamento feminino foi, sem dúvida, a grande revolução doséculo que passou. Mas eu não sou uma cientista social, alguémque possa discorrer sobre isso. Daí ter recorrido a autores queimprimiram ao tema o interesse e a transcendência da arte." Fernanda admite que o "feminino" é assunto de grandeamplitude. "A gente pode olhar para o fenômeno do feminino sobmuitos aspectos. Escolhi o da delicadeza, mas não como sinônimode passividade ou fragilidade". E observa que que houve umdesvirtuamento do conceito de delicadeza. "Delicado passou aser o mesmo que franzino, a delicadeza passou a ser associada àfraqueza, debilidade ou frescura. E ela não é isso. A gentedeveria buscar o sentido da delicadeza no humano. Para mim,delicadeza é civilidade, doçura, liberdade, voluptuosidade,gozo. É o direito à sensibilidade, ao diálogo, à compreensão e àarte." E a arte será o ponto de partida para o diálogo com opúblico nesses Encontros com Fernanda. "Que pode ocorreraté no meio da apresentação, entre um texto e outro, o roteironão é tão rígido assim." O debate sobre a delicadeza comosinônimo de fragilidade poderá ser estimulado pelo texto deCornélio Pena, "sobre alguém recluso, assustado com a vida."Perdoando Deus, de Clarice Lispector, fala sobre uma mulherque está muito feliz e, subitamente, tropeça num rato morto."Aquele bicho asqueroso provoca então uma série de reflexõessobre como a felicidade, em sua plenitude, pode ser alienante."A delicadeza da voluptuosidade, do gozo pela vida também é temada poesia de Hilda Hilst. E Fernanda Montenegro? Possuiu adesejada delicadeza? "Eu acho que não. Tenho meus demônios.Delicadeza é algo que a gente persegue, não é fácil de alcançar,mas deve perseguir."Encontros com Fernanda - Centro CulturalBanco do Brasil. Rua Álvares Penteado, 112. Tel: 3113-3651. Sextas e domingos às 18h30; sábados, às 17h30 e 19h30. R$ 15,00. Até 7/4.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.